MISTÉRIO DA VIDA APÓS A MORTE


 

 

“MISTÉRIOS DA VIDA APÓS A MORTE”

O Livro dos Espíritos
por ALLAN KARDEC – tradução de José Herculano Pires

I – A Alma Após A Morte
149. Em que se transforma a alma no instante da morte?
— Volta a ser Espírito, ou seja, retorna ao mundo dos Espíritos que ela havia deixado temporariamente.
150. A alma conserva a sua individualidade após a morte?
— Sim, não a perde jamais. O que seria ela se não a conservasse?
150 – a) Como a alma constata a sua individualidade, se não tem mais o corpo material?
— Tem um fluido que lhe é próprio, que tira da atmosfera do seu planeta e que representa a aparência da sua última encarnação: seu períspirito.
150 – b) A alma não leva nada deste mundo?
— Nada mais que a lembrança e o desejo de ir para um mundo melhor. Essa lembrança é cheia de doçura ou de amargor, segundo o emprego que tenha dado à vida. Quanto mais pura para ela for, mais compreenderá a futilidade daquilo que deixou na Terra.
151. Que pensar de que a opinião de que a alma, após a morte, retorna ao todo universal?
— O conjunto dos Espíritos não constitui um todo? Quando está numa assembléia, fazes parte da mesma e, não obstante, conservas a tua individualidade.
152. Que prova podemos ter da individualidade da alma após a morte?
— Não tendes esta prova pelas comunicações que obtendes? Se não estiverdes cegos, vereis; e se não estiverdes surdos, ouvireis; pois freqüentemente uma voz vos fala e vos revela a existência de um ser que está ao vosso redor.
Comentário de Kardec: Os que pensam que a alma, com a morte, volta ao todo universal, estarão errados, se por isso entendem que ela perde a sua individualidade, como uma gota d’água que caísse do oceano. Estarão certos, entretanto, se entenderem pelo todo universal o conjunto dos seres incorpóreos de cada alma ou Espírito é um elemento.
Se as almas se confundissem no todo, não teriam senão as qualidades do conjunto, e nada as distinguiria entre si; não teriam inteligência nem qualidades próprias. Entretanto, em todas as comunicações elas revelam a consciência do eu e uma vontade distinta. A diversidade infinita que apresentam, sob todos os aspectos, é a conseqüência da sua individualização. Se não houvesse, após a morte, se não o que se chama o Grande Todo, absorvendo todas as individualidades, esse todo seria homogêneo e, então, as comunicações recebidas do mundo invisível seriam todas idênticas. Desde que encontramos seres bons e maus, sábios e ignorantes, felizes e desgraçados, e dede que os há de todos os caracteres: alegres e tristes, levianos e sérios etc., é evidente que se trata de seres distintos.
A individualização ainda se evidencia quando esses seres provam a sua identidade através de sinais incontestáveis, de detalhes pessoais relativos à vida terrena e que podem ser contestados; ela não pode ser posta em dúvida, quando eles se manifestam por meio de aparições. A individualidade da alma foi teoricamente ensinada como um artigo de fé, mas o Espiritismo a torna patente, e de certa maneira material.
153. Em que sentido se deve entender a vida eterna?
— É a vida do Espírito que é eterna; a do corpo é transitória, passageira. Quando o corpo morre, a alma retorna à vida eterna.
153 – a) Não seria mais exato chamar a vida eterna a dos Espíritos puros, que, tendo atingido o grau de perfeição, não têm mais provas a sofrer?
— Essa é a felicidade eterna. Mas tudo isto é uma questão de palavras: chamais as coisas como quiserdes, desde que vos entendais.

O Que Você Quer da Vida?

 

Alguém já lhe fez esta pergunta: “O que você quer da vida?” Se isso já aconteceu é um sinal de alerta que não pode ser desprezado, ou seja, estão achando que você não tem objetivos para viver, que você é daquelas pessoas que vão tocando a vida conforme os acontecimentos, sem visão de futuro. Se isto está acontecendo, cuidado! Não estamos reencarnados para “viver por viver” e sim para combater em nós as más tendências e trabalhar incessantemente para fazer crescer nossas virtudes. Então podemos dizer que nosso primeiro objetivo na vida é aprender a nos amar.
Outro objetivo quanto ao viver, e muito importante, é estarmos nesta existência para aprender também a amarmos o nosso próximo. Por esse motivo o Espiritismo nos incentiva a trabalharmos a convivência, quando temos oportunidade de aprender a exercitar a compreensão, a renúncia, a compaixão, a gratidão, a cooperação e outras qualidades morais que nos auxiliam a reparar o mal que porventura fizemos aos nosso familiares no passado, ou seja, em existências anteriores.
E ainda temos um terceiro objetivo para o viver: aprender a amar a Deus. Isso se dá na medida em que auxiliamos o planeta em seu equilíbrio natural; cooperamos com o advento da justiça social; combatemos a guerra com a não-violência; estancamos a corrupção com a honestidade, ou seja, quando colocamos em ação o grande ensino de Jesus: fazer ao outro somente o que gostaríamos que o outro nos fizesse.
Agora já dá para pensar com mais profundidade sobre o que estamos fazendo na Terra e responder melhor a pergunta título deste texto: O que você quer da vida?
Como espírito imortal, reencarnado e sabedor que a morte não existe, não dá mais para “deixar a vida me levar”, não é mesmo? E se você está pensando que dinheiro nasce em árvore e felicidade cai do céu, não se iluda mais. A lei divina é de evolução, mas quem acelera o processo ou estaciona somos nós mesmos, e não existe nada pior do que desencarnar e, no mundo espiritual, receber a notícia que vamos ter que começar tudo de novo.
Marcus De Mario é Educador; Escritor; Palestrante e Consultor Empresarial.

Autotransformação Pessoal

 

Na atual existência vivemos num mundo de Provas e Expiações e para que haja a nova transição ao mundo de regeneração o Ser Humano habitante deste planeta tem a oportunidade de optar pelo bom uso de suas faculdades, e ter como meta prioritária a Lei de Evolução: pelo Amor e não pela dor, buscar a sua autotransformação pessoal na Honestidade e dos valores morais estabelecidos e fundamentados no amor universal.
As mudanças só acontecem em nossa intimidade, para os que tiverem ouvidos de ouvir e corações abertos direcionados para o bem maior, e assim ser digno de entrar pela porta estreita, e comungar mais intimamente com um mundo de progresso e realizações.
Infelizmente, os espíritos recalcitrantes sofrerão as consequências funestas dos erros, por não ter refletido, pensado em suas negligência e invigilância, estas más inclinações não domadas é a ruína destas almas que serão expurgadas do planeta terra para mundos inferiores, portanto, com certeza a terra sofrerá novas revoluções, e as mudanças acontecerão para um mundo novo preparado, para a regeneração do planeta.

Disse Jesus: “Muitos são os chamados

e poucos são os escolhidos.”

Vera Jacubowski