Não guardar mágoas é ter a melhor saúde

mágoas e saúde

Uma visão espírita da mágoa

 

Na maioria das vezes nos magoamos por coisas fúteis. Por que nos magoamos? É o que tento explanar numa visão espírita…
 
 
Ninguém pode magoar você. Mesmo que alguém queira fazer isso, não pode, não tem esse poder. Quantas coisas você ouve e aceita? Quantas vezes lhe fizeram ou disseram coisas que outros não perdoariam e que você nem ligou? A mágoa não é uma ofensa externa que atinge alguém. Quem se magoa tem a mágoa dentro de si.
 
 
A palavra mágoa vem do latim macula e tem o mesmo significado de mancha, nódoa. Tinha, originalmente, o sentido de impureza. Maria, mãe de Jesus, é chamada de Maria Imaculada, ou seja, sem mácula, sem mancha, pura.
 
Querendo ou não querendo, concordando ou não concordando, o fato é que só nos deixamos atingir por aquilo que encontra eco dentro de nós mesmos. Só somos tocados por aquilo que sintoniza conosco. Se fôssemos suficientemente superiores, não nos magoaríamos nem ao sofrer uma injustiça de alguém muito querido. Procuraríamos, de imediato, a melhor maneira para esclarecer o mal entendido e faríamos de tudo para ajudar aquele que foi injusto conosco, porque compreenderíamos o seu erro e consequente sofrimento.
 
 
Quando você acha que alguém o magoou, é você que se magoou. Alguém fez alguma coisa que o desagradou, que não correspondeu às suas expectativas, e você se magoou. Mas a mágoa não foi imposta por ele, a mágoa é sua, surgiu de você. Mágoa é mancha. Se você se bate, forma-se um hematoma. O hematoma é uma mancha. O que desencadeou o surgimento do hematoma foi o fato de você se bater em algum lugar, mas a mancha surgiu de você, é uma reação do seu corpo, o hematoma é seu. O objeto contra o qual você se bateu não acrescentou o hematoma a você. Foi você, foi o seu corpo que reagiu ao impacto formando um hematoma.
 
 
A mágoa está em você e pode ser acionada. Quando alguém age de maneira grosseira, insensível, injusta com você, sua magoa é desencadeada. É verbo reflexivo: Magoar-se. Magoa-se a si mesmo.
 
Cada vez que nos magoamos temos a oportunidade de estudar a nós mesmos para descobrir o que fez a mágoa subir à superfície. Por que você se magoa? Responder a isso rende um ótimo exercício de autoconhecimento. TEMOS QUE RECONHECER QUE NA MAIORIA DAS VEZES NOS MAGOAMOS POR COISAS FÚTEIS. Gostaríamos de ser mais considerados, respeitados, admirados, paparicados.
 
 
Há espíritos que reencarnam próximos uns dos outros muitas vezes por conta de suas mágoas. Atribuem suas mágoas aos outros, deixam o rancor se alojar em seus íntimos, querem vinganças e perseguições. Muitos se perseguem uns aos outros durante o período de sono físico. Enquanto seus corpos repousam, aproveitam a relativa liberdade para dar vazão às suas mágoas e seus pensamentos baixos.
 
 
Conforme avançamos em nossa reforma íntima, a tendência é que nossas mágoas diminuam. Nos tornamos menos suscetíveis à mágoa. Como a mágoa é algo que parte de nosso íntimo, ao nos reajustarmos fica mais fácil perceber, pelo menos em algumas áreas do sentimento, que não há motivos para magoar-se.
 
 
Sei que há pessoas que enfrentam experiências amargas, tendo que se submeter, mesmo que temporariamente, à grosseria e crueldade de pessoas próximas. Maridos, mães, irmãos. São situações que quase sempre têm sua origem em reencarnações passadas, e que são verdadeiros desafios a que são submetidos espíritos que anseiam por livrar-se do círculo vicioso que se forma entre vítimas e algozes.
 
A única maneira de por fim a esse círculo vicioso é através do perdão e da tentativa de amor. Se amor ainda é algo muito grande para caber nessas situações, que haja ao menos a compreensão, a tolerância, a paciência. São todos derivados do amor. E todos são poderosos antídotos contra a mágoa.
 
Morel Felipe Wilkon

beleza dom

 

“Não guardar mágoas é ter a melhor saúde.”

Vera Jacubowski

mágoas e sofrimento

Mágoa

Artigos – Sofrimentos da Alma

“Mágoa não elaborada se volta contra o interior da criatura, alojando-se em determinado órgão e produzindo somatizações, notadamente, na formação de displasias e tumores.”
 
Ao afirmarmos: “Ninguém nunca conseguirá me magoar”, não queremos dizer que não damos o devido valor aos nossos sentimentos, que não nos importamos com o mundo e que não valorizamos as criaturas com quem convivemos.
 
Querer “não sentir dor”, pode dessensibilizar as comportas dos nossos mais significativos sentimentos, inclusive atingindo de forma generalizada, nossa capacidade de amar. Muitas vezes, queremos representar que possuímos uma segurança absoluta quando, na realidade, todos nós somos vulneráveis de alguma forma. Nosso estilo de vida, em muitas ocasiões, é ilógico e neurótico.
 
O “querer viver” uma existência inteira desprovida de decepções e ingratidão, com aceitação e consideração incondicionais, é desastrosamente irreal.
 
É profundamente irracional nutrir a crença de que nunca seremos traídos e de que sempre seremos amados e entendidos plenamente por todos. Portanto, não podemos passar uma vida inteira ocultando de nós mesmos que nunca ficaremos magoados. Devemos, sim, admitir a mágoa quando ela realmente existir, para que possamos resolver nossos conflitos e desarranjos comportamentais.
 
A maneira decisiva de atingirmos o equilíbrio interior, é aceitarmos nossas emoções e sentimentos como realmente eles se apresentam, pois, deixando de ignorá-los, passaremos a nos adaptar firmemente à realidade dos fatos e dos acontecimentos que estamos vivenciando. O que não pode ser visto, não pode ser mudado.
Os mecanismos inconscientes dos quais nos utilizamos para nos enganar são em grande parte imperceptíveis, principalmente àqueles que não iniciaram ainda a autodescoberta do mundo interior, através do auto-aprimoramento espiritual. Ignorar o sentimento de mágoa pode, muitas vezes, parecer um simples esquecimento natural, mas também poderá ser visto como atividade psicológica para afastar de nosso dia-a-dia, detalhes desagradáveis que não queremos admitir. Para não tomarmos consciência de que ficamos magoados, simplesmente não notamos uma série quase infinita de fatos e feitos que demonstrariam, de forma segura, o ofensor e a intenção da ofensa.
 
O ato de ignorar é uma defesa que apaga somente uma parte do ocorrido, deixando consciente apenas aquilo que nos interessa no momento. O fato de criarmos o hábito de desviar a atenção como forma de dispersar a dor da agressão e de isso funcionar muito bem em determinados momentos expressivos de nossa vida, mantendo a mágoa dissimulada, poderá se tornar um estilo comportamental inadequado, pois distorce a realidade de nossos relacionamentos.
 
Mágoa não elaborada se volta contra o interior da criatura, alojando-se em determinado órgão, tornando-o doente. Mágoa se transforma com o tempo em rancor, exterminando gradativamente nosso interesse pela vida e desajustando-nos quanto a seu significado maior.
 
A mágoa é um sentimento de frustração no qual a emoção está sob relativo controle da razão. Ou do ressentimento, quando a emoção sobrepuja a razão. Ou ainda, do ódio e da vingança, quando a emoção e a razão já desencadeiam ação e atitude.
 
As interpretações emocionais da frustração, dependendo da intensidade e da freqüência com que são geradas, produzem somatizações, notadamente, na formação de displasias e tumores. Muitos portadores de câncer, por exemplo, são pessoas no mínimo magoadas, e esse sentimento gera por indução ou imantação, um campo energético adequado ao desenvolvimento da doença.
 
Com as devidas ressalvas, a mais eficaz vacina contra qualquer tipo de câncer, é treinar aprender a perdoar e a relevar as atitudes do próximo, nada esperando dele além do que ele tem a nos oferecer, compatível com seu grau de evolução.
 
Assim não se formam expectativas nem frustrações seguidas de mágoas, ressentimentos, ódio e vingança, que sempre acabam em somatizações. Sentimentos não morrem. Podemos enterrá-los, mas mesmo assim continuarão conosco. Se não forem admitidos, não serão compreendidos e, conseqüentemente, estarão desvirtuando a nossa visão do óbvio e do mundo objetivo.
 
 
Autor: Francisco do Espírito Santo Neto – pelo Espírito Hammed – extraído do livro
“As dores da Alma”

salvação caridade amor

A Mágoa

À semelhança de ácido que corrói a superfície na qual se encontra, a mágoa desgasta, a pouco e pouco, as peças delicadas das engrenagens orgânicas do homem, destrambelhando-lhe os equipamentos muito delicados da organização psíquica.
A mágoa é conselheira impiedosa e artesã de males cujos efeitos são imprevisíveis.
Penetra no âmago do ser e envenena-o, impedindo-lhe o recebimento dos socorros do otimismo, da esperança e da boa vontade em relação aos fatores que o maceram.
Instalando-se, arma a sua vítima de impiedade e rancor, levando-a a atitudes desesperadas, desde que lhe satisfaça a programação vil.
Exala amargura e desconforto, expulsando as pessoas que intentam contribuir para a mudança de estado, graças às altas cargas vibratórias negativas, que exteriorizam mau humor e azedume.
*
Quem acumula mágoas, coleciona lixo mental.
Reage às tentativas de alojamento da mágoa nos teus sentimentos.
Não estás, no mundo, por acaso, antes, com finalidades adredemente estabelecidas que deves atender.
Acompanha a marcha do Sol, e enriquece-te de luz, não mergulhando na sombra dos ressentimentos destrutivos.
Sorri ante o infortúnio, agradecendo a oportunidade de superá-lo através dos valores éticos e educativos que já possuis, poupando-te à consumpção de que é portadora a mágoa.
FRANCO, Divaldo Pereira. Episódios Diários. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL. Capítulo 22.

Convite à Fé


“Se tivésseis a fé do tamanho de um grão de mostarda…” (Mateus: capítulo 17º, versículo 20.)
Para que a chama arda é indispensável a sustentação pelo combustível.
A fim de que o rio se agigante, a nascente prossegue sustentando-lhe o curso.
A mesa enriquecida pelo pão sacrifica o grão de trigo generoso.
No ministério da vida espiritual, a fim de que o homem sobreviva ao clima de desespero que irrompe de todo lado, com as altas cargas da aflição, do medo, da dúvida, que se generalizam, a fé é imprescindível para a aquisição do equilíbrio.
Seu milagre, todavia, depende do esforço despendido em prol da sua própria manutenção.
À fé inata devem ser adicionados os valores de reflexão e da prece de modo a canalizar a inspiração superior que passa a constituir fonte geradora de preservação do necessário capital da confiança.
Às vezes, para que as sementes que jazem no solo das almas, em latência, se desdobrem em embriões de vida, torna-se imperioso condicionamentos psíquicos, somente possíveis mediante a busca sistemática pela razão, pelos fatos, através da investigação.
Seja, porém, como seja, o homem não pode prescindir do valioso contributo da fé, a fim de colimar os objetivos da reencarnação.
Apressado, ante a infeliz aplicação do avião nos jogos da guerra, Alberto Santos Dumont preferiu a fuga, através do autocídio nefário…
Porque a dinamite fora usada para extermínio de povos Alfredo Nobel amargurou-se até a desencarnação…
Se tivessem fé, poderiam acompanhar a marcha do progresso, ensejada pelos seus inventos, colocados a serviço mesmo da Humanidade.
Não obstante houvessem perseverado confiantes no êxito dos seus empreendimentos, faltou-lhes a fé religiosa para sustentá-los nos momentos terríveis que tiveram de considerar, em face da vida física que se extingue e da espiritual que é indestrutível.
A fé é a flama divina que aquece o espírito e dá-lhe forças para superar tudo: mágoas, desaires revoltas, traições e até mesmo a morte.
Alimentá-la para a própria paz é indeclinável dever que não podes postergar.
FRANCO, Divaldo Pereira. Convites da Vida. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL. Capítulo 22.

Comentários