O ESPÍRITO DE VERDADE

espirito-de-verdade

O Espírito de Verdade

 

O Espírito de Verdade,

numa visão nova e esclarecedora é

em sua evidência o progresso humano.

 

Vera Jacubowski

jesus-pintura-mediunica

QUEM É O ESPÍRITO DE VERDADE?

 

No livro Obras Póstumas, no capítulo intitulado: A minha primeira iniciação no Espiritismo, Allan Kardec conta como foi seu primeiro encontro com o que chamava de Espírito familiar, e faz uma observação: “nessa época, ainda se não fazia distinção nenhuma entre as diversas categorias de Espíritos simpáticos. Dava-se-lhes a todos a denominação de Espíritos familiares”.
Foi no dia 25 de março de 1856, tendo por médium a senhorita Baudin, que Kardec agradeceu a presença do “Espírito familiar” e perguntou, educadamente:
– Consentirás em dizer-me quem és?
– Para ti, chamar-me-ei A Verdade todos os meses, aqui, durante um quarto de hora, estarei à tua disposição.
E o diálogo continua e, como era da personalidade de Kardec, não se bastar com as perguntas enquanto não se desse por satisfeito com as respostas, isso observamos em toda a Codificação, ele volta a indagar:
–O nome Verdade, que adotaste, consttui uma alusão à verdade que eu procuro?
– Talvez; pelo menos, é um guia que te protegerá e ajudará.
Kardec volta a questionar, buscando identificar o Espírito:
– Terás animado na Terra alguma personagem conhecida?
– Já te disse que, para ti, sou a Verdade; isto, para ti, quer dizer discrição; nada mais saberás a respeito.
Na reunião de 9 de abril de 1856, o diálogo com o O Espírito da Verdade termina com a pergunta de Allan Kardec sobre a proteção que teria:
– Disseste que serás para mim um guia, que me ajudará e protegerá. Compreendo essa proteção e o seu objetivo, dentro de certa ordem de coisas; mas, poderias dizer-me se essa proteção também alcança as coisas materiais da vida?
– Nesse mundo, a vida material é muito de ter-se em conta; não te ajudar a viver seria não te amar.
Nas belas e exatas respostas do Espírito da Verdade, Kardec informa em nota, a qual transcrevo, na íntegra, pelos esclarecimentos que proporciona:
“A proteção desse Espírito, cuja superioridade eu então estava longe de imaginar, jamais, de fato, me faltou. A sua solicitude e dos Espíritos que agiam sob suas ordens, se manifestou em todas as circunstâncias da minha vida, quer a me remover dificuldades materiais, quer a me facilitar a execução dos meus trabalhos, quer, enfim, a me preservar dos efeitos da malignidade dos meus antagonistas, que foram sempre reduzidos à impotência.
Se as tribulações inerentes à missão que me cumpria desempenhar não me puderam ser evitadas, foram sempre suavizadas e largamente compensadas por muitas satisfações morais gratíssimas.”
Por esse comentário, entende-se que, no momento certo o Espírito da Verdade identificou-se para Kardec, que guardou a discrição que lhe foi solicitada, entretanto, deixou as pistas, identificando o Espírito da Verdade como Jesus Cristo, em vários momentos, nas obras da Codificação.
Na menor resposta que existe em O Livro dos Espíritos e a de maior grandeza, a de número 625, quando as Entidades Sublimadas responderam à pergunta de Kardec: – Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo?– “Jesus”.
Kardec tece comentários – Para o homem, Jesus constitui o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ensinou é a expressão mais pura da lei do Senhor, porque, sendo ele o mais puro de quantos têm aparecido na Terra, o Espírito Divino o animava.
Nas mensagens inseridas em O Evangelho Segundo o Espiritismo, no capítulo VI, O Cristo Consolador, publicadas inicialmente em O Livro dos Médiuns, no capítulo XXXI, atribuídas a Jesus, Kardec reproduziu-as como O Espírito de Verdade. São quatro mensagens:
duas recebidas em 1860, uma no ano de 1861 e a quarta mensagem em 1863. Há aquela mensagem tão divulgada, na qual é feita uma convocação aos espíritas: – Espíritas! Amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, este o segundo. No Cristianismo encontram-se todas as verdades; são de origem humana os erros que nele se enraizaram.
Eis que do além-túmulo, que julgáveis o nada, vozes vos clamam: “Irmãos! nada perece. Jesus Cristo é o vencedor do mal, sede os vencedores da impiedade”.
Posteriormente, no livro A Gênese, capítulo I, item 42, Kardec escreve: – O Espiritismo realiza todas as promessas do Cristo a respeito do Consolador anunciado. Ora, como é o Espírito de Verdade que preside ao grande movimento da regeneração, a promessa da sua vinda se acha por essa forma cumprida, porque, de fato, é ele o verdadeiro  consolador.
Mais adiante, lá no final, no capítulo XVII, item 37, do mesmo livro, Kardec declara: – Jesus reservou para si a completação ulterior de seus ensinamentos. E, numa comunicação na Revista Espírita de 1866, na página 222: – A qualificação de Espírito de Verdade, não pertence senão a um e pode ser considerada como nome próprio, ela é especificada no Evangelho.
Nos prolegômenos – prefácio, introdução – de O Livro dos Espíritos, há várias assinaturas, entre elas a do Espírito da Verdade, que demonstra ser ele uma individualidade e não uma plêiade de espíritos. Há, ainda, um detalhe muito importante: no início, antes da palavra prolegômenos, existe a gravura de uma cepa com os ramos, e a nota de rodapé, de que aquela cepa é o fac-símile da que os Espíritos desenharam para representar o conteúdo de O Livro dos Espíritos. E o que é cepa? Cepa é a videira com os ramos, que nos remete às palavras de Jesus, constantes no evangelho de João, capítulo 15, versículo 5: – Eu sou a videira, vós os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
As obras da Codificação, que são em número de 20, a saber: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e a Gênese– obras conhecidas como Pentateuco Espírita; além delas, Kardec produziu um livro de divulgação da doutrina: O Que é o Espiritismo e Viagem Espírita em 1962, bem como 12 volumes da importante Revista Espírita. E no ano de 1890, foram publicados escritos inéditos sob o título de Obras Póstumas, totalizando, assim, sua obra em 20 volumes. Nelas, encontramos várias referências a Jesus Cristo como o Espírito da Verdade.
Na Revista Espírita de 1861, na epístola de Erasto aos Espíritas, datada de 19 de setembro de 1861, está escrito: – O Espírito de Verdade, nosso mestre bem-amado.
Na Revista Espírita de 1864, Hahneman, o criador da Homeopatia, em janeiro de 1864, escreve: – O Espírito de Verdade, que dirige este globo. No mês de maio do mesmo ano, uma comunicação assinada O Espírito de Verdade: – Há várias moradas na casa de meu Pai, eu lhes disse há dezoito séculos.
Na Revista Espírita de 1868, na página 51, Erasto, em Paris, no ano de 1863, termina a mensagem dessa forma: – Estamos e ficaremos convosco, sob a égide do Espírito de Verdade, meu senhor e o vosso.
No livro Missionários da Luz, pelo Espírito André Luiz, na psicografia de Francisco Cândido Xavier, o instrutor Alexandre diz: – O próprio Jesus nos afirma: “eu sou a porta… se alguém entrar por mim será salvo entrará, sairá e achará pastagens”!
Por que audácia incompreensível imaginais a realização sublime sem vos afeiçoardes ao Espírito de Verdade, que é o próprio Senhor?
E o consagrado escritor espírita Hermínio Correia de Miranda, em seu excelente livro As Mil Faces da Realidade Espiritual, afirma: – Não há, pois, como ignorar a óbvia e indiscutível conclusão de que, sob o nome Espírito de Verdade, o Cristo dirigiu pessoalmente os trabalhos de formulação e implementação da Doutrina dos Espíritos,
caracterizando-a como o Consolador que prometera há dezoito séculos.
O Cristo, o Ungido de Deus, é o próprio Espírito de Verdade, que nunca nos abandonou, como ele mesmo afirmou: – Não se turbe o vosso coração nem se atemorize, eu estarei convosco todos os dias até a consumação dos séculos.
Jesus Cristo é o Governador Espiritual da Terra.
Quando chegou o momento propício, prodigalizou a Revelação das Leis de Deus, com Moisés, no monte Sinai, como intérprete da Primeira Revelação – A Lei de Justiça. Emmanuel, no livro A Caminho da Luz, escreveu que o Cristo acompanhou Moisés em todo o seu percurso com o povo no deserto, durante 40 anos. O Cristo e seus prepostos é que ali estavam na entrega das Tábuas da Lei. Deus jamais falou diretamente com quem quer que seja na Terra.
O Cristo apresentou-se com o nome Eu sou. Quando perguntado por Moisés qual é o seu nome, respondeu: Assim dirás aos filhos de Israel: Eu sou me enviou a vós outros.
A Segunda Revelação – A Lei do Amor – trazida pelo próprio Cristo, com o nome de Jesus – Jeshua Ben Yussef–, através dos seus exemplos de paz e de solidariedade, mostrando como se faz, fazendo. E, por fim, A Terceira Revelação – A Lei da Caridade – com o Espiritismo, ostentando a bandeira: Fora da caridade não há salvação, coordenado por Ele, como nome Espírito de Verdade, o Consolador prometido.

Muita paz! Itair Ferreira

verdade

Comentários

Os comentários realizados nesse site não são armazenados em nosso banco de dados e podem ser excluídos diretamente na página da postagem.
*Note que para excluir o comentário será necessário encontrá-lo, clicar na caixa ao lado em seguida no botão excluir... Observando que só será possível excluir o comentário se o usuário estiver logado na mesma conta utilizada na hora que efetuou o comentário.

Política de Privacidade

Qualquer dúvida visite nossa Política de Privacidade: http://www.verdadeluz.com.br/politica-de-privacidade/