O ÚNICO INTERESSE EM FAZER O BEM

amizade sem explicação

Fazer o Bem

 

“O único interesse em fazer o bem
que deva ser o de servir sem interesses
egoísticos, mas que seja em benefício
da caridade e do amor ao próximo.”
Vera Jacubowski

VERA JACUBOWSKI

fruto das ações

Tesouros de Amor

 

À medida que o tecnicismo modifica a face da Terra, imprimindo um glorioso período, fenecem altas expressões dos sentimentos, no âmago das afeições humanas.
Aqui, a indústria do “presente” asfixia os nobres impulsos, tudo reduzindo ao mercantilismo, onde o amor pode ser valorizado pelo preço da mercadoria.
Ali, as paredes do cronômetro apertam as ruas da amizade e os atos de entendimento fraterno se reduzem a uma palavra, contendo significados de ocasião.
Mais além, a cobiça e o empreguismo assassinam as manifestações da ordem, e em nome do progresso inutilizam homens que se desdobram exaustivamente ou se paralisam, lamentavelmente, no comodismo.
Ninguém pode perder a ocasião no jogo social.
Não se dispõe de tempo para “sentimentalismos”.
Os simulacros de amor e respeito, consideração e reconhecimento são encontrados nas salas modernas dos “magazines” que se encarregam de encaminhá-los protocolar mente ao preço de uma taxa simples…
Todo sentimento que se deseja exteriorizar depende do dinheiro.
O dinheiro que é servo se faz algoz e sendo fonte de crescimento social se converte em implacável azorrague que deprecia a humanidade.
Há, no entanto, outros meios de expressar o canto de ternura da alma nas taças reluzentes da afeição.
Tesouros de amor, sim, todos temos para ofertar.
Um singelo cartão manuscrito é verdadeira gema preciosa dirigido a um ser querido.
Uma frase assinalada pela música da esperança pode ser considerada um adereço delicado a quem merece carinho.
Duas palavras de cordialidade numa visita pessoal oferecem calor humano a quem se estima e está a sós.
Uma oração em conjunto, ao lado de um leito onde sofre uma afeição fraternal, é oferenda valiosa e especial…
E o sorriso gentil, o pensamento generoso, o aperto de mão cordial, a atenção dispensada numa palestra, o silêncio discreto, a postura educada são, igualmente, presentes que transcendem as aquisições lojistas que têm o sabor puro e simples de “dever social”.
Não te deixes corromper na tempestade louca do tempo “sem tempo”.
Sempre podes fazer algo pessoal, intransferível, assinalado pela vibração da tua emotividade.
Na tarefa espírita onde respiras, honrado, aplica esses tesouros na destruição da sementeira negativa.
Respeita o ausente;
Perdoa o ofensor;
Seja tua a dádiva da abnegação;
Faze o trabalho que outros desconsideram;
Ora pelo ingrato;
Sê mais generoso com o exigente…
A ventura do céu começa no piso onde repousa a escada de ascensão espiritual.
Nos detritos oculta-se a vitalidade para o vegetal… Honrado na casa de Simão pela mesa farta e a presença de homens de destaque, o Senhor deixou-se comover pelas lágrimas da mulher sofredora que lhe banhavam os pés, enquanto os enxugava com os cabelos. Era o único tesouro ali que não custara moedas, refletindo em toda a sua grandeza o arrependimento do erro e a sede de amor.

 

FRANCO, Divaldo Pereira. Espírito e Vida.
Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL. Capítulo 23.

 

amizade sol

Por Amor

 

“Cegou-lhes os olhos e endureceu-lhes o coração, a fim de que não vejam com os olhos e compreendam no coração e se convertam e eu os cure.” – (JOÃO, capítulo 12, versículo 40.)

 

Os planos mais humildes da Natureza revelam a Providência Divina, em soberana expressão de desvelo e amor.
Os lírios não tecem, as aves não guardam provisões e misteriosa força fornece-lhes o necessário.
A observação sobre a vida dos animais demonstra os extremos de ternura com que o Pai vela pela Criação desde o princípio: aqui, uma asa; acolá, um dente a mais; ali, desconhecido poder de defesa.
Afirma-se a grande revelação de amor em tudo.
No entanto, quando o Pai convoca os filhos à cooperação nas suas obras, eis que muita vez se salientam os ingratos, que convertem os favores recebidos, não em deveres nobres e construtivos, mas em novas exigências; então, faz-se preciso que o coração se lhes endureça cada vez mais, porque, fora do equilíbrio, encontrarão o sofrimento na restauração indispensável das leis externas desse mesmo amor divino. Quando nada enxergam além dos aspectos materiais da paisagem transitória, sobrevém, inopinadamente, a luta depuradora.
É quando Jesus chega e opera a cura.
Só então torna o ingrato à compreensão da Magnanimidade Divina.
O amor equilibra, a dor restaura. É por isso que ouvimos muitas vezes: “Nunca teria acreditado em Deus se não houvesse sofrido.”

 

XAVIER, Francisco Cândido. Caminho, Verdade e Vida.
Pelo Espírito Emmanuel. 28.ed. Brasília: FEB, 2009. Capítulo 139.

A CURA PELA TERNURA

Comentários

Os comentários realizados nesse site não são armazenados em nosso banco de dados e podem ser excluídos diretamente na página da postagem.
*Note que para excluir o comentário será necessário encontrá-lo, clicar na caixa ao lado em seguida no botão excluir... Observando que só será possível excluir o comentário se o usuário estiver logado na mesma conta utilizada na hora que efetuou o comentário.

Política de Privacidade

Qualquer dúvida visite nossa Política de Privacidade: http://www.verdadeluz.com.br/politica-de-privacidade/