A PAZ ÍNTIMA É RESULTADO DE MUITO EMPENHO

pazintima

A Paz Íntima

“A PAZ ÍNTIMA É RESULTADO DE MUITO EMPENHO EM CONQUISTÁ-LA.
SÓ SE ADQUIRE A VERDADEIRA PAZ AQUELE QUE MUITO TRABALHA PARA CONSTRUÍ-LA.
PASSAMOS A PERCEBÊ-LA QUANDO NOS COLOCAMOS
COM ESFORÇO E BOA-VONTADE DIRECIONANDO-A NA NOSSA VIDA SENTIMENTAL, ESPIRITUAL E INTELECTUAL.”

Vera Jacubowski

paz íntima

Ação de Paz

No teu círculo de amigos não faltam aqueles que cultivam a violência, a arrogância, o espírito perturbador…
Bulhentos, irrequietos, gostam de promover desordens, sempre armados contra tudo e todos.
Cuidado com eles!
Aconselham a anarquia, estimulam as arruaças, encorajam a malquerença.
Não te inspires na sua poluição mental, responsável pelo seu comportamento alienado.
Trata-os com gentileza, no entanto, poupa-te à sua convivência malfazeja.
Eles são cansativos pela instabilidade e exaurem aqueles que os cercam, em razão da agressividade em que se debatem.
* * *
Há quem aconselhe revide a qualquer ofensa; reproche a toda insinuação; respostas ácidas às provocações…
O fogo não se acaba, quando se lhe atira combustível.
Assim também acontece com o mal.
A única alternativa é a que decorre da ação do bem, que apaga as labaredas da violência e estabelece a paz na qual o progresso se firma.
* * *
És instrumento da vida, para a tua e a felicidade geral.
Esparze alegria, sem fomentar o pandemônio.
Irradia dignidade, sem carantonha ou simulação sisuda.
Favorece a paz, sem pieguismo ou receio da perturbação.
Tua realidade íntima, tua forma de vida pessoal.
Vive em paz, e apazígua todos quantos se acerquem de ti.

Psicografia de Divaldo Pereira Franco.

Em 28.12.2010.

Autor: Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Franco

estrelas2

RELATO EMOCIONANTE DE DIVALDO FRANCO:

DIVALDO FRANCO E O PADRE
Certa vez, fui a um padre confessar (antes de tornar-me Espírita). Contei-lhe sobre minhas comunicações com os mortos. Para ele, eram forças demoníacas tentando me afastar da Igreja. Veio-me uma mágoa de Deus e comecei a questionar:
– Sou um bom católico, bom sacristão, adoro a Igreja, faço jejum, passo a semana da Páscoa sem comer até o meio-dia. Se Deus não pode com o diabo, eu vou aguentar? O diabo vai me vencer. Como um garoto de 17 anos, do interior, ingênuo, pode vencer o diabo se nem Deus consegue?
Entrei em depressão e fiquei com mágoa de Deus. Confessei-me ao padre:
– Eu vou me matar. Nossa Senhora do Carmo vai ter pena de mim, vai me colocar o escapulário e me tirar do inferno.
Ele me olhou demoradamente e respondeu:
– Não tome nenhuma atitude agora. O demônio às vezes nos perturba para testar a nossa fé; quando não consegue, abandona. Volte para a Igreja.
Era um homem honesto, acreditava piamente em suas ideias.
Um dia, ao confessar-me a ele, vi aproximar-se um Espírito. Tive outro conflito:
– Como pode o diabo entrar na sacristia?
Aliás, eu via sempre os Espíritos. No momento da Eucaristia, a hóstia tornava-se luminosa quando colocada na minha boca. Às vezes, em Feira de Santana, via o cônego Mário Pessoa aureolado. No meu entendimento (católico), ele era um santo. As pessoas na hora da fé se iluminavam e eu julgava tudo alucinação.
Quando o Espírito entrou, exclamei:
– Olha, o diabo está vindo, e é mulher!
– Você vê algum sinal particular no rosto dela? – indagou-me o Padre.
– Vejo uma verruga acima do lábio.
– E o que mais?
– O cabelo está partido ao meio, penteado com um coque atrás.
– E o que mais?
– Vejo um xale sobre os ombros, com pontas, um xale negro de xadrez.
– Pode ficar tranquilo, é a minha mãe – disse o Padre.
Ela se conectou com os centros de força da minha voz e conversou com o Padre. Quando despertei, ele me esclareceu:
– Divaldo, mamãe veio me alertar. A sua missão não é aqui, vá seguir a tarefa que Deus lhe confiou, porque o bem está em todo lugar.
Fiquei mais tumultuado, porque eu não era Espírita, tinha medo, sentia-me de certo modo alijado da Igreja, mas continuava a frequentá-la e ao Centro Espírita.
Tinha conflitos de fé, principalmente quando morreu minha irmã, por suicídio. Mamãe foi encomendar missa a esse mesmo sacerdote, um homem bom, e ouviu dele:
– Dona Ana, não posso celebrar, porque o suicida está no inferno e Deus não o tira de lá.
Foi quando aprendi a primeira lição de lógica e de psiquiatria, com uma mulher iletrada – a minha mãe:
– Padre, então eu renego o seu Deus. Se Ele não é capaz de perdoar não é digno de ser Deus. Sou lavadeira modesta e analfabeta, mas a filha que perdi, eu a perdoo; como é que Deus, que a tem, não a perdoa? Digo mais, quem se mata não está no seu juízo.
Mais tarde eu viria saber que muitos portadores de psicose maníaco-depressiva (PMD) vão ao suicídio. Aprendi muito com esse homem, com mamãe, e quando eu lhe disse que não iria mais à igreja, ela me respondeu:
– Deus está em todo lugar. Se você for justo e agir com retidão, Ele estará com você. Faça o bem, meu filho, porque a verdadeira religião é aliviar o sofrimento alheio.
A partir desse acontecimento integrei-me lentamente ao Espiritismo.”

Comentários

Os comentários realizados nesse site não são armazenados em nosso banco de dados e podem ser excluídos diretamente na página da postagem.
*Note que para excluir o comentário será necessário encontrá-lo, clicar na caixa ao lado em seguida no botão excluir... Observando que só será possível excluir o comentário se o usuário estiver logado na mesma conta utilizada na hora que efetuou o comentário.

Política de Privacidade

Qualquer dúvida visite nossa Política de Privacidade: http://www.verdadeluz.com.br/politica-de-privacidade/