PRECE DA HUMILDADE

PRECE DA HUMILDADE

PRECE DA HUMILDADE

Senhor, fazei com que eu aceite
minha pobreza tal como sempre foi.
Que não sinta o que não tenho.
Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou.
Dai, Senhor, que minha humildade
seja como a chuva desejada
caindo mansa,
longa noite escura
numa terra sedenta
e num telhado velho.
Que eu possa agradecer a Vós,
minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa.”
Cora Coralina

pensamentos

A evolução do espírito obedece

uma escalada para o céu em

moral e intelectualidade 

num crescimento gradual

para nos aproximar de Deus.

Vera Jacubowski

 

EVOLUÇÃO

Obediência com resignação

 

Estudo: Cap. IX – Item 8 – Evangelho Segundo o Espiritismo.

O equilíbrio, a harmonia, resultam da obediência às leis que regem a vida.
Em torno dos Sóis gravitam os demais astros, e, por sua vez, estes se submetem às soberanas diretrizes que mantêm as galáxias.
A sinfonia harmoniosa é o resultado da submissão de notas e instrumentos à pauta e à regência.
O equilíbrio da máquina decorre da perfeita submissão das peças do mecanismo que lhe constitui a engrenagem…
A saúde do corpo e da mente, por sua vez, é conseqüência da obediência do espírito às conjunturas da evolução inadiável.
A obediência revela-se como elemento essencial para a ordem, fator base do equilíbrio fomentador do progresso.
Medida que revela a sabedoria da criatura, a obediência decorre, naturalmente, de um perfeito conhecimento dos deveres em relação aos objetivos da existência humana.
Somente as almas disciplinadas logram o cometimento da obediência, em conseqüência da resignação ante os sucessos nem sempre ditosos.
Assevera-se que os fracos são mais fáceis de serem conduzidos, portanto mais maleáveis à obediência. Conveniente, porém, não confundir obediência com receio submisso, nem resignação com indiferença diante da luta, que é sempre um desafio da evolução.
Obediência e resignação constituem termos equivalentes da equação evolutiva, a grande incógnita para o espírito em processo libertador.
*
Vives num Universo onde vigem as leis de equilíbrio, soberanamente, em nome de Deus.
Qualquer agressão à ordem impõe a necessidade de recuperação como impositivo de dignidade e harmonia.
A rebeldia é processo de luta em faixa primitiva, enquanto que a obediência é conquista da razão esclarecida.
O bruto reage. O sábio age. O primeiro agride, o segundo elucida.
Submete-se, desse modo, aos impositivos da evolução, mesmo quando as circunstâncias te pareçam aziagas ou tormentosas.
A resignação, como conseqüência natural do conhecimento das leis de causa e efeito, ser-te-á o lenitivo e o amparo para o prosseguimento do ministério abraçado, em busca da libertação que almejas.
Não te revoltes, portanto, se as coisas não te saírem conforme o teu desejo. A realidade é consoante como deve ser e não conforme a cada qual apraz.
Aplica-te ao serviço fraternal de auxílio, confiante e resignado, adquirindo experiências iluminativas que se te incorporarão ao patrimônio existente de bênçãos.
Convidado ao revide, empurrado ao desespero, chamado ao remoque, concitado à desordem, silencia e ama, obedecendo às determinações da vida e resignando-te face às suas injunções.
A obediência liberta; a resignação sublima a alma.
Uma deflui do conhecimento e a outra do sentimento.
*
Não obstante a arbitrária justiça do atormentado representante de César, Jesus não se rebelou, não agrediu, não duvidou da misericórdia nem da sabedoria do Pai. Obedeceu, resignado e amoroso, embora fosse o Senhor da Terra, concitando-nos, desde ali, a coragem para sofrer com equilíbrio e confiança total nas determinações divinas.

 

FRANCO, Divaldo Pereira. Rumos Libertadores.
Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL. Capítulo 22.

palavra amor

evoluir

Comentários