Pregai pelo exemplo de vossa fé

 

  

Boas Obras 

Pregai pelo exemplo de vossa fé, pelas vossas boas obras, pela perseverança no bem, pela confiança que fortalece e edifica, estimulando o que tens de bom e de belo em seu coração.

Vera Jacubowski

perdoa chico xavier

lua COLORIDA

BOAS OBRAS

 
“Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus”. (Mateus, 5:16)
Brilhar, quer dizer: cintilar, distinguir-se, evidenciar-se, resplandecer, por isso, quando se fala em brilhar, imediatamente pensamos em posição de destaque, em sucesso, em alguém que se sobressai por alguma coisa que faça ou tenha feito, pela inteligência aguçada, pela capacidade intelectual.
Para alguns, brilhar ainda significa se destacar no campo da fé, demonstrando grande conhecimento, grande cultura espiritual.
A recomendação da parábola é que a luz individual brilhe para que seja vista por todos, que através dela se iluminem.
Por luz, entenda-se os conhecimentos adquiridos e colocados em prática.
Aprender sempre para melhor conhecer e melhor servir é o objetivo daqueles que se dedicam verdadeiramente ao trabalho com Jesus.
Não basta o conhecimento intelectual, a palavra bonita, é preciso, também, a ação, a prática do bem, para que a luz resplandeça com firmeza.
A maior finalidade da reencarnação é a da própria renovação.
A Doutrina Espírita, restaurando os ensinamentos de Jesus, se constitui em imenso tesouro
de bênçãos e luzes para todos que aceitam os seus princípios.
Sabemos que a renovação do homem, sob o ponto de vista moral, intelectual e espiritual, é difícil, sem dúvida, mas é perfeitamente possível de ser realizado.
É indispensável, que a criatura persevere no trabalho da própria transformação, utilizando os meios que o Evangelho e o Espiritismo fornecem fartamente, exigindo de si mesmo a boa vontade, no exercício do vigiar, percebendo aspectos que precisa trabalhar para que melhorem, se apresentem em exteriorizações mais doces, fraternas, amigas.
Brilhe a nossa luz, não apenas pela cultura intelectual, pela frase bem feita, pela interpretação correta das Leis Divinas, nem pela prece que comove, mas, que é feita apenas pelos lábios, mas, pelas obras edificadas no Bem.
Em sã consciência ninguém pode desprezar a educação da inteligência, porque o aprendizado nobre, em todos os setores, é necessário para o crescimento do Espírito, mas, o convite de Jesus é para que exercitemos, constantemente, as obras feitas com os valores do coração, porque somente com o amor estimularemos o amor.
Habitantes da terra, temos imperfeições, mas possuímos qualidades, que se trabalhadas crescerão, ampliando-se e tornando a cada expansão mais tranquila a caminhada.
Quando exteriorizamos qualidades, elas se transformam em luzes pelos exemplos, que ajudarão a clarear o caminho próprio e de tantos quantos sejam ali envolvidos.
Necessário, todo esforço para acender nossa luz. Mesmo que seja pequena, será sempre luz que possibilitará avançar na escuridão avançar na escuridão.
” Atendamos, pois, ao nosso próprio burilamento, porquanto apenas contemplando a luz das boas obras em nós é que os outros entrarão no caminho das boas obras, glorificando a Bondade e a Sabedoria de Deus”.
Maria Aparecida F. Lovo
Maio / 2002
Bibliografia:
● Vinha de Luz – F.C.Xavier/Emmanuel, lição 159
● Estudando o Evangelho – M. Peralva, lição 03
fazer o bem

O Exemplo da Fonte

Um estudante da sabedoria, rogando ao seu instrutor lhe explicasse qual a melhor maneira de livrar-se do mal, foi por ele conduzido a uma fonte que deslizava, calma e cristalina, e, seguindo-lhe o curso, observou:
– Veja o exemplo da fonte, que auxilia a todos, sem perguntar, e que nunca se detém até alcançar a grande comunhão com o oceano. Junto dela crescem as plantas de toda a sorte, e em suas águas dessedentam-se animais de todos os tipos e feitios.
Enquanto caminhavam, um pequeno atirou duas pedras a corrente e as águas as engoliram em silêncio, prosseguindo para diante.
– Reparou? – disse o mentor amigo – a fonte não se insurgiu contra as pedradas. Recebeu-as com paciência e seguiu trabalhando.
Mais à frente, viram grosso canal de esgoto arremessando detritos no corpo alvo das águas, mas a corrente absorvia o lodo escuro, sem reclamações, e avançava sempre.
O professor comentou para o aprendiz:
– A fonte não se revolta contra a lama que lhe atiram a face. Recolhe-a sem gritos e transforma-a em benefícios para a terra necessitada de adubo.
Adiante ainda, notaram que, enquanto andorinhas se banhavam, lépidas, feios sapos penetravam também a corrente e pareciam felizes em alegres mergulhos.
As águas amparavam a todos sem a mínima queixa.
O bondoso mentor indicou o lindo quadro ao discípulo e terminou:
– Assinalemos o exemplo da fonte e aprenderemos a libertar-nos de qualquer cativeiro, porque, em verdade, só aqueles que marcham para diante, com o trabalho que Deus lhes confia, sem se ligarem as sugestões do mal, conseguem vencer dignamente na vida, garantindo, em favor de todos, as alegrias do Bem Eterno.
XAVIER, Francisco Cândido. Pai Nosso. Pelo Espírito Meimei. FEB.

lei universal

Comentários