Que Possamos Amar o Nosso Irmão de Jornada

harmonia

Irmãos de Jornada

Que possamos amar o nosso irmão de jornada assim como Jesus nos ama.
E que esse amor não seja somente pra quem nos ama, mas para aqueles
que nos perseguem e nos caluniam.
Paz e Harmonia.!

CORAÇÃO HUMANO

O Talento Esquecido

No mercado da vida, observamos os talentos da Providência Dïvina fulgurando na experiência humana, dentro das mais variadas expressões. Talentos da riqueza material, da intelectualidade brilhante, da beleza física, dos sonhos juvenis, dos louros mundanos, do brilho social e doméstico, do poder e da popularidade.
Alinham-se, à maneira de jóias grandes e pequenas, agradáveis e preciosas, estabelecendo concorrência avançada entre aqueles que as procuram.
*
Há, porém, um talento de luz acessível a todos. Brilha entre ricos e pobres, cultos e incultos. Aparece em toda parte. Salienta-se em todos os ângulos da luta. Destaca-se em todos os climas e sugere engrandecimento em todos os lugares.
E o talento da oportunidade, sempre valioso e sempre o mesmo, na corrente viva e incessante das horas.
É o desejo de doar um pensamento mais nobre ao círculo da maledicência, de fortalecer com um sorriso o ânimo abatido do companheiro desesperado, de alinhavar uma frase amiga que enterneça os maus a se sentirem menos duros e que auxilie aos bons a se revelarem sempre melhores, de prestar um serviço insignificante ao vizinho, plantando o pomar da gratidão e da amizade, de cultivar algum trato anônimo de solo, onde o arvoredo de amanhâ fale sem palavras de nossas elevadas intenções.
*
Acima de todos os dons, permanece o tesouro do tempo.
Com as horas os santos construíram a santidade e os sábios amealharam a sabedoria.
É com o talento esquecido das horas que edificaremos o nosso caminho, no rumo da Espiritualidade Superior, na aplicação silenciosa com o mestre que, atendendo compassivamente às necessidades de todos os aprendizes, prometeu, com amor, não somente demorar-se conosco até ao fim dos séculos terrestres, mas também asseverou, com justiça, que receberemos individualmente na vida, de acordo com as nossas próprias obras.

 

Pelo Espírito Emmanuel
XAVIER, Francisco Cândido. Caridade. Espíritos Diversos. IDE.
paz

Disciplina

Em toda a Criação vibra a mensagem paternal da ordem divina.
A pequenina planta, alçando-se em busca da energia solar que a sustenta.
O astro-rei, girando submisso em torno de outro que lhe serve de berço.
O verme, rastejando na limitação dos recursos de que dispõe. As águas domadas nas represas, produzindo força elétrica que movimenta o progresso.
*
Quando o desrespeito irrompe na máquina da ordem, campeiam a tormenta e o desequilibrio.
A ordem é irmã gêmea da disciplina que sustenta a produção e inspira o progresso.
Em ti mesmo, a reencarnação significa escola de iluminação, mas também cárcere disciplinar, em cuja oportunidade adquires recursos e valores que te propiciam liberdade e ascensão.
Teus ruidos incomodam os vizinhos, que te observam com desagrado.
Tuas irritações contaminam os amigos, que se encolerizam.
Tuas agressões à lei ferem a sociedade, que te cerceia a liberdade de ação.
Na mesma razão, tuas lutas enobrecedoras tornam-se conhecidas.
Os sorrisos sadios que distribuis, espalham contentamento.
As doações de amizade pura enriquecem os companheiros das lides.
Os celeiros da esperança, que abres aos transeuntes, fartam muitos corações.
No entanto, necessitas de disciplinar o receber, tanto quanto metodizar o dar.
Não receberás da Vida Fecunda concessões indébitas, em detrimento de outros Espíritos.
Porque desejes mudar a rota solar para fruir maior dose de luz e calor este não mudará o seu rumo para atender-te; segue a trilha gigante que o disciplina na órbita e o submete.
Educas o animal inferior para utilizá-lo nos serviços domésticos. No entanto o cão que defende um lar é o mesmo que ataca o invasor da propriedade. Disciplina do instinto.
A madeira que serve de leito é irmã da palmatória que pune. Disciplina para o uso.
A água, que atende a sede, nasce na mesma fonte da que dá o veículo para o veneno. Disciplina na utilidade.
A mão que aplaude é a mesma que fere, Indisciplina de aplicação, porque o corpo é servo da vontade.
Considera, ainda, que o vaso útil para as necessidades domésticas nasceu do barro lodacento.
A forma que recebe a pasta alimentar é utensílio surgido da folha de flandre humilde.
A luz elétrica, que clareia, surge na força ciclópica que estava a perder-se.
*
Para preencher a função a que se destina, cada coisa necessita da adaptação que a disciplina impõe.
Como disciplina, entende-se o conjunto de deveres nascidos na ordem imposta ou consentida.
Mesmo a Verdade, para chegar ao homem, é dosada em quotas que o vitalizam.
A luz solar, que distende a vida sobre a terra, é filtrada e medida para atender às necessidades previstas pelo Pai Celeste, sem causar danos.
A felicidade do homem decorre, pois, da disciplina que este se impõe.
Educação da vontade.
Correção dos atos.
Moderação da voz.
Dominio dos impulsos.
Ordem nas atividades e deveres, mantendo um alto padrão de respeito e moderação nas tarefas naturais.
Recorda, assim, a expressão do Mestre Jesus: “Eu não vim destruir a Lei, mas dar-lhe cumprimento.”

 

FRANCO, Divaldo Pereira. Messe de Amor. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL.

vida eterna

Dá de Ti Mesmo

Declaraste não possuir dinheiro para auxiliar.
Acreditas que um pouco de papel ou um tanto de níquel te substituem o coração?
Esqueces-te, meu filho, de que podes sorrir para o doente e estender a mão ao necessitado?
A flor não traz consigo uma bolsa de ouro e entretanto espalha perfume no firmamento.
O céu não exibe chuvas de moedas, mas enche o mundo de luz.
Quanto pagas pelo ar fresco que, em bafejos amigos, te visita o quarto pela manhã?
O oxigênio cobra-te imposto?
Quanto te custa a ternura materna?
As aves cantam gratuitamente.
A fonte que te oferece o banho reconforta­dor não exige mensalidade.
A árvore abre-te os braços acolhedores, re­pletos de flor e fruto, sem pedir vintém.
A bênção divina, cada noite, conduz o teu pensamento a bendito repouso no sono e não fazes retribuição de espécie alguma. Habitual­mente sonhas, colhendo rosas em formoso jardim, junto de companheiros felizes; no entanto, ja­mais te lembraste de agradecer aos gênios espi­rituais que te proporcionam venturoso descanso.
A estrela brilha sem pagamento.
O Sol não espera salário.
Porque não aprenderes com a Natureza em torno?
Porque não te fazeres mais alegre, mais comunicativo, mais doce?
Tens a fisionomia seca e ensombrada por faltar-te dinheiro excessivo e reclamas recursos materiais para ser bom, quando a bondade não nasce dos cofres fortes.
Sê irmão de teu irmão, companheiro de teu companheiro, amigo de teu amigo.
Na ciência de amar, resplandece a sabedoria de dar.
Mostra um semblante sereno e otimista, aonde fores.
Estende os braços, alonga o coração, comu­nica-te com o próximo, através dos fios brilhan­tes da amizade fiel.
Que importa se alguém te não entende o gesto de amor?
Que seria de nós, meu filho, se a mão do Senhor se recolhesse a distância, por temer-nos a rudeza e a maldade?
Dá de ti mesmo, em toda parte.
Muito acima do dinheiro, pairam as tuas mãos amigas e fraternais.

 

XAVIER, Francisco Cândido. Alvorada Cristã. Pelo Espírito Neio Lúcio. FEB. Capítulo 30.

espírito amor

Agradeço, Senhor

 

Maria Dolores

Agradeço, Senhor,
Quando me dizes “não”
Às súplicas indébitas que faço,
Através da oração.
Muitas daquelas dádivas que peço,
Estima, concessão, posse, prazer,
Em meu caso talvez fossem espinhos,
Na senda que me deste a percorrer.
De outras vezes, imploro-te favores,
Entre lamentação, choro, barulho,
Mero capricho, simples algazarra,
Que me escapam do orgulho…
Existem privilégios que desejo,
Reclamando-te o “sim”,
Que, se me florescem na existência,
Seriam desvantagens contra mim.
Em muitas circunstâncias, rogo afeto,
Sem achar companhia em qualquer parte,
Quando me dás a solidão por guia
Que me inspire a buscar-te.
Ensina-me que estou no lugar certo,
Que a ninguém me ligaste de improviso,
E que desfruto agora o melhor tempo
De melhorar-me em tudo o que preciso.
Não me escutes as exigências loucas,
Faze-me perceber
Que alcançarei além do necessário,
Se cumprir o meu dever.
Agradeço, meu Deus,
Quando me dizes “não” com teu amor,
E sempre que te rogue o que não deva,
Não me atendas, Senhor!…
Do livro Antologia da Espiritualidade, de Maria Dolores, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.

mãos

Comentários

Os comentários realizados nesse site não são armazenados em nosso banco de dados e podem ser excluídos diretamente na página da postagem.
*Note que para excluir o comentário será necessário encontrá-lo, clicar na caixa ao lado em seguida no botão excluir... Observando que só será possível excluir o comentário se o usuário estiver logado na mesma conta utilizada na hora que efetuou o comentário.

Política de Privacidade

Qualquer dúvida visite nossa Política de Privacidade: http://www.verdadeluz.com.br/politica-de-privacidade/