Bom dia! Necessitamos de Mais Espiritualidade

ORGULHO E EGOÍSMO VERA JACUBOWSKI

Espiritualidade

O orgulho, o egoísmo, a ganância
e o materialismo exacerbado,
são verdadeiras chagas da humanidade.
Necessitamos de mais espiritualidade.

Vera Jacubowski

bom dia plantinha

FIDELIDADE ESPÍRITA, UMA QUESTÃO

DE RACIONALIDADE CRISTÃ

 

É evidente que “Fidelidade Doutrinária” não é o que alguns incautos alcunham como sendo algo subjetivo. Consiste na simplicidade dos conceitos escritos e praticados, desde que, invariavelmente, alicerçados na Codificação, cujas recomendações foram escoradas pelos “Espíritos do Senhor, que são as “Virtudes dos Céus”, no dizer do Espírito de Verdade, na Introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo.

 

A nossa irmã Wanda Simões escreveu que “estamos vivendo dias de dificuldades em todo o planeta, mas, configura-se de muita gravidade a situação encontrada nas casas espíritas. Afinal, não é onde deveria estar centrada a cátedra do Espírito de Verdade? Não é onde deveria se encontrar a luz do conhecimento que liberta? Não é onde se deve aprender a construir um novo homem, liberto das amarras da ignorância? No entanto, não é o que se vê. Senão, vejamos: As casas espíritas, inspiradas pelo espírito de sistema, optaram por navegar nas águas rasas do conhecimento, na superficialidade dos ensinos exarados nas obras psicografadas de qualidade duvidosa.

 

É comum, muito comum, os espíritas saberem, de cor, as histórias romanceadas das vidas de personagens habitantes das colônias transitórias, mas não sabem sequer de onde surgiu a doutrina que professam. Espalhou-se, no meio, a idéia de que a leitura das Obras básicas é muito difícil, e que, portanto, é melhor que se comece lendo romances e livrinhos de histórias fantasiosas sobre a vida espiritual, que só convencem mentes imaturas e sem senso de racionalidade.

 

O resultado disso é que quando a pessoa se interessa, de fato, pelo estudo da Doutrina, já se embrenhou num mundo irreal, já poluiu sua mente com leituras inadequadas e atrapalhadas, tornando-se muito difícil a incursão no conhecimento real do Espiritismo, atrasando, sobremaneira, o avanço da criatura na estrada da compreensão. Os conceitos, que já se formaram em sua mente, são de complicada reestruturação e haja tempo para se formar outra mentalidade. São pessoas com um nível de fantasia muito grande acerca da vida terrena e espiritual, pois misturam conceitos espíritas com doutrinas esotéricas, com neurolinguística, terapias alternativas, auto-ajuda e tudo o que pode fazer uma grande confusão nas idéias.”1 Certa ocasião, ao término de uma palestra sobre o tema FIDELIDADE DOUTRINÁRIA, aproximou de mim um confrade e nos contou que estava procurando se harmonizar com uma casa espírita, mas, no grupo que frequentava, os trabalhadores promoviam sessões de “desobsessão” pela apometria e por corrente magnética (?!…).

 

Utilizavam cristais e pirâmides nos chamados trabalhos de “cura”. Indicavam sal grosso aos assistidos, ervas, pomadas “cura-tudo” e outros quejandos estranhos.Lembramos que muitos centros acenam com movimentos e idéias hipnotizantes, tentando embutir, na espinha dorsal da Doutrina Espírita, práticas inoportunas, sutis, criando neologismos de impacto para supostos “tratamentos espirituais”. Indagou-nos, se eram corretas essas práticas, pois, segundo acreditava, consoante as lições das Obras Básicas, essas práticas não condizem com o projeto final do Espiritismo.

 

Disse-nos, ainda, que foi convidado pela Direção do tal Centro, a trabalhar em serviços de atendimento aos irmãos que estavam necessitados de ajuda material naquela região. Contudo, estava receoso de iniciar um trabalho com esses pontos conflitantes na mente.Esclarecemos que o Centro Espírita tem que funcionar como se fosse um autêntico Pronto-Socorro Espiritual; tal qual refrigério em favor das almas em desalinho. Os grupos espíritas têm que estar preparados para receber um contingente, cada vez maior, de pessoas perdidas no lodaçal de suas próprias imperfeições, e que estão nos vales sombrios da ignorância.Aqueles que leem literaturas ditas avançadas, de autores pseudossábios, duvidosos, sem antes lerem e estudarem, com seriedade, as obras do Pentateuco Kardeciano, correm, invariavelmente, o grande risco de enveredarem por caminhos escorregadios e trilhas sinuosas de difícil acesso esclarecedor.

 

Os Centros Espíritas refletem a índole e a consciência doutrinária dos seus dirigentes (mandões). As práticas que nos narrou o irmão chocam, de frente, com as receitas de Allan Kardec. Logo, no centro citado, não se praticam as recomendações doutrinárias, logo não se pratica o Espiritismo-Kardecista.2 Todavia, são estágios de entendimento insipientes, quiçá, necessários para esses irmãos neófitos (nunca se esquecendo de que A CADA UM SEGUNDO SEUS MERECIMENTOS).

 

Ressaltamos que, no grupo em referência, certamente, existem confrades que ajudam os necessitados, o que lhes concede apreciáveis méritos, obviamente. Contudo, ainda, não se desligaram de práticas bizarras, perfeitamente dispensáveis para seus compromissos cristãos.Lembramos ao nosso interlocutor, que já possuía um critério doutrinário formado, que ele deveria procurar outro núcleo espírita, onde propusessem práticas, genuinamente, espíritas. Se optasse por continuar, que transmitisse, aos poucos, as noções claras da Doutrina Espírita, promovendo, no Centro, leituras de obras consagradas, e que sugerisse oradores experientes, quando agendassem nomes para palestras públicas, etc. Alertamos sobre as dificuldades que iria encontrar, mas que não esmorecesse diante desse nobre propósito, pois a firme vontade de ajustar aquelas mentes doentias ao projeto dos Espíritos Superiores superaria qualquer adversidade que tivesse que enfrentar.

 

O mais importante é servir em nome do Cristo, mesmo que convivendo, estoica e heroicamente, ao lado de práticas vazias de lógica. Se conseguisse conviver com isso, nós o estimulamos. Contudo, lembramos ao confrade que ninguém era obrigado a conviver sob as amarras dos constrangimentos, por isso, que usasse e abusasse do bom senso. A verdadeira prática espírita é a expressão da moral cristã, consubstanciada no Evangelho.

 

O grupo espírita que se basear nos ensinos de Jesus terá maior pureza doutrinária em qualquer tipo de continente (desobsessão, desenvolvimento da mediunidade, palestras, livros, mensagens, assistência social, evangelização da infância e juventude, divulgação, etc.). Recordemos que Allan Kardec legou à humanidade a melhor de todas as embalagens (FIDELIDADE DOUTRINÁRIA) ao divino presente que é a DOUTRINA ESPÍRITA, e aqueles que têm como base o alicerce do Evangelho podem, até, conviver com qualquer obra ou filosofia, que estarão IMUNIZADOS contra o vírus das influenciações obsidentes.

 

Jorge Hessen

VIBRAÇÕES VERA JACUBOWSKI

Prática Espírita

Toda a prática espírita é gratuita, como orienta o princípio moral do Evangelho: “Dai de graça o que de graça recebestes”.
A prática espírita é realizada com simplicidade, sem nenhum culto exterior, dentro do princípio cristão de que Deus deve ser adorado em espírito e verdade.
O Espiritismo não tem sacerdotes e não adota e nem usa em suas reuniões e em suas práticas: altares, imagens, andores, velas, procissões, sacramentos, concessões de indulgência, paramentos, bebidas alcoólicas ou alucinógenas, incenso, fumo, talismãs, amuletos, horóscopos, cartomancia, pirâmides, cristais ou quaisquer outros objetos, rituais ou formas de culto exterior.
O Espiritismo não impõe os seus princípios. Convida os interessados em conhecê-lo a submeterem os seus ensinos ao crivo da razão, antes de aceitá-los.
A mediunidade, que permite a comunicação dos Espíritos com os homens, é uma faculdade que muitas pessoas trazem consigo ao nascer, independentemente da religião ou da diretriz doutrinária de vida que adotem.
Prática mediúnica espírita só é aquela que é exercida com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro da moral cristã.
O Espiritismo respeita todas as religiões e doutrinas, valoriza todos os esforços para a prática do bem e trabalha pela confraternização e pela paz entre todos os povos e entre todos os homens, independentemente de sua raça, cor, nacionalidade, crença, nível cultural ou social. Reconhece, ainda, que “o verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza”.

 

Fonte: Folheto “Conheça o Espiritismo, uma Nova Era para a Humanidade”, editado pela FEB – Campanha de Divulgação do Espiritismo.

sorria

BOM DIA QUERER BEM

A LEI DO AMOR

 

O Evangelista João escreveu, no seu texto, que Deus é amor e que amou o mundo de tal modo que mandou  Seu filho para que todos aqueles que no Seu filho cressem, nunca mais perdessem a vida, nunca mais perecessem. É muito importante pensarmos nisto. Deus é amor mas, muitas vezes, aprendemos a dizer essas frases e passamos a repeti-las mecanicamente. Poucas vezes nos damos o trabalho de nos deter no que é que esses textos significam, o que é que essas almas de escol, essas almas luminosas, que chegaram à Terra, desejaram nos dizer com o que disseram.

 

É a partir daí que verificamos que o amor é a essência da vida. Nada do que existe, nada do que existirá, em termos de vida planetária, em termos de vida cósmica, poderá ocorrer sem o amor. De fato, o amor é a alma da vida. Do mesmo modo que não conseguimos sobreviver no corpo físico sem o oxigênio, sem a respiração, sem a nutrição, não conseguimos viver animicamente, não encontramos saúde da alma fora das dimensões do amor. É tão importante amar que o Evangelista estabeleceu que Deus não é alguém que ama, mas que Deus é amor.

 

Quando pensamos em Deus, pensamos no amor. Mas, o amor se manifesta de multiplicadas formas. Dentro dos hábitos corriqueiros do mundo, pensamos no amor como relacionamento conjugal, fraternal, afetivo. Amor é a alma da vida. Alguém que plante uma árvore, que atire sementes ao solo, se não fizer isso com amor, isso míngua, se atrofia, a planta se estiola.

 

A mãe de família que cozinha, que serve a mesa, que lava, que passa, que atende a prole e ao marido, se não fizer isso com amor, terá acido nas suas mãos e fogo no seu olhar. Há que se ter amor para aguentar essa vida doméstica de todos os dias fazer-se as mesmas coisas.

 

É por causa disso que pensamos nessa magia do amor, que é Deus. Como o amor permeia as nossas realizações, as nossas relações, não nos custa verificar como é que nós nos encontramos, como é que nos temos encontrado relativamente a essa virtude. Quase sempre estamos aborrecidos com alguém, com algo, com a vida, com a política, com a economia, com os gastos, com a família, com os amigos. Poucas vezes nos abrimos para deixar o amor entrar em nós. No Evangelho segundo o Espiritismo, o Espírito Lázaro, um dos notáveis escritores da obra da Codificação Espírita, escreveu num de seus capítulos: Quando Jesus enunciou a Divina palavra amor, os povos estremeceram e os mártires, embriagados de esperança, desceram aos circos.

 

Somente a força do amor nos dá coragem. Quando um pai toma do seu filho doente e leva-o ao hospital, deixa-o ser submetido a intervenções cirúrgicas, é por amor. Senão o filho morre, senão fica aleijado, senão se acaba. Diante de alguém que nos agride, que nos ofende e silenciamos por minuto, tem que ser por amor para que não avancemos como se fôssemos uma fera, sobre aqueles que nos dizem o que não gostaríamos de ouvir.
O amor é realmente a alma da vida. Não conseguimos nos imaginar fora da proteção do amor de pai, de mãe, de familiares. Não conseguimos imaginar-nos na Terra distanciados do amor de Deus que nos manda as primaveras, os outonos, os invernos, os verões, a cada ano, repetindo, em nome do amor, as quatro estações porque em cada uma delas retiramos o de que necessitamos para a nossa vida planetária. Só o amor de Deus.

 

*   *   *
Se não for por Deus, não conseguimos respirar. É esse Criador que acende todas as noites as estrelas, sem cansaço. Todos os dias nos dá a estrela solar, mesmo quando não a vemos nitidamente no céu nublado, é a claridade do sol filtrada através das nuvens densas.

 

Deus é amor. Mas vale recordar de que Jesus Cristo nos disse: Amai-vos uns aos outros tanto quanto vos tenho eu amado.Complicado imaginar que se possa amar como Jesus Cristo nos amou. No entanto, se essa foi uma proposta dEle, Ele sabia que precisaríamos realizar exercícios de amor. O amor não nos chega de repente, não brota em nós de repente. O que brota em nós de repente é a paixão, é o desejo.

 

O amor é fruto do tempo, das experiências, da convivência com coisas, com seres. Vamos aprendendo a ter esse olhar de profundidade para tudo, para as coisas e para as  pessoas. É a partir daí que nasce o amor.

 

Alguém dirá: Eu amo o que eu faço. Não foi no primeiro dia. Possivelmente, no primeiro dia, tenha sido a coisa mais horrenda do mundo, mais perturbadora. Mas, à continuidade, passamos a tomar afeto por aquilo que fazemos. É o tempo que consagra o amor.

 

Amai-vos uns aos outros tanto quanto Eu vos tenho amado. Em outra ocasião, ainda nos disse o Mestre: Os meus discípulos serão reconhecidos por muito sem amarem. Que coisa importante ser discípulos de Cristo, identificados pela nossa capacidade de amar.

 

É tempo de começarmos a refletir a respeito do amor na Terra, que não se trata de abraços, beijinhos, afagos. Essa é uma dimensão do amor, do afeto conjugal, do amor fraternal. O amor é muito mais amplo. Se é o próprio Deus, abarca toda a Natureza.

 

Alguém que esteja na defesa das causas ecológicas, ama. Alguém que esteja na luta pelos direitos verdadeiros da Humanidade, nos direitos humanos, é porque ama. Alguém que quer defender as nossas camadas de ozônio para que o homem da Terra não adoeça, não se acabe de cânceres de pele, é porque ama. O cientista, que se interna num laboratório e se esquece, buscando vacinas, remédios, produtos que facilitem a vida da Humanidade terrestre, é porque ama.
A fonoaudióloga que, junto ao tartamudo, ao tatibitati, ao gago, à criança que sofreu traumas, realiza, diariamente, as mesmas lições, as mesmas terapias, sem imaginar quando terá sucesso… só amando. O fisioterapeuta, que toma da criança doente, do velho, do adulto, da pessoa que necessita dos seus préstimos e, sem saber quando terá êxito, trabalha, orienta, manipula com suas mãos luminosas, com os fluidos que saem de suas mãos, até conseguir bons resultados, é porque ama.

 

Daí, o amor permear todas as nossas ações. Para que sejam ações positivas, para que sejam ações do bem têm que estar nutridas pelo amor. É por causa disto que o Apóstolo Simão Pedro escreveu, numa de suas epístolas, que o amor e só o amor é capaz de cobrir multidões de pecados.

 

Diante de todos os nossos equívocos humanos, de nossos erros, de nossos agravos é por causa do amor que o Criador nos permite voltar à Terra, recomeçar experiências, retomar contatos, reestruturando, pouco a pouco, para esse dia sem ocaso que nos espera, para esse dia de intensa e inapagável luz.

 

É pelo amor e somente pelo amor que estamos hoje no mundo, ainda que estourem bombas, ainda que haja palavras de impropérios aqui e ali, ainda que haja maus homens, enfermas criaturas. Nada disso ocorre sem que o amor de Deus esteja sobrepairando e mesmo do mal que a criatura humana intenta realizar, no auge de sua enfermidade moral, Deus retira o bem para que ela tenha algum mérito e para que todos possamos ser felizes porque Deus é amor. Nunca esqueçamos disso.

Transcrição do Programa Vida e Valores, de número 196, apresentado por Raul Teixeira, sob coordenação da Federação Espírita do Paraná. Programa gravado em janeiro de 2009. Exibido pela NET, Canal 20, Curitiba, no dia 14.03.2010.

bom dia pessoa

Comentários

Os comentários realizados nesse site não são armazenados em nosso banco de dados e podem ser excluídos diretamente na página da postagem.
*Note que para excluir o comentário será necessário encontrá-lo, clicar na caixa ao lado em seguida no botão excluir... Observando que só será possível excluir o comentário se o usuário estiver logado na mesma conta utilizada na hora que efetuou o comentário.

Política de Privacidade

Qualquer dúvida visite nossa Política de Privacidade: http://www.verdadeluz.com.br/politica-de-privacidade/