MOMENTO DECISIVO – Bezerra de Menezes

bezerra de menezes

Momento decisivo

Filhas e filhos da alma!

Abençoe-nos o Senhor com a sua paz.

Estes são dias de turbulência.

A sociedade terrestre, com a inteligência iluminada, traz o coração despedaçado pela angústia do ser existencial. Momento grave na historiografia do processo evolutivo, quando se operam as grandes mudanças para que se alcance a plenitude na Terra, anunciada pelos Espíritos nobres e prometida por Jesus. Nosso amado planeta, ainda envolto em sombras, permanece na sua categoria de inferioridade, porque nós, aqueles que a ele nos vinculamos, ainda somos inferiores, e à medida que se opera nossa transformação moral para melhor, sob a égide de Jesus, nosso modelo e guia, as sombras densas vão sendo desbastadas para que as alvíssaras de luz e de paz atinjam o clímax em período não muito distante.
Quando Jesus veio ter conosco, a humanidade experimentava a grande crise de sujeição ao Império Romano, às suas paixões totalitárias e aos interesses mesquinhos de governantes arbitrários. O Espiritismo, a seu turno, instalando-se no planeta, enfrenta clima equivalente em que o totalitarismo do poder arbitrário de políticas perversas esmaga as aspirações de enobrecimento das criaturas humanas e, por consequência, o ser, que se agita na busca da plenitude, aturde-se e, confundindo-se, não sabe como vivenciar as claridades libertadoras do Evangelho.
Com a conquista do conhecimento científico e o vazio existencial, surgem as distrações de vário porte para poder diminuir a ansiedade e o desespero. Naturalmente, essa manifestação de fuga da realidade interfere no comportamento geral dos seareiros da Verdade que, nada obstante, considerando serem servidores da última hora, permitem-se os desvios que lhes diminuem a carga aflitiva.
Tende, porém, bom ânimo, filhas e filhos do coração!
É um momento de siso, de decisões, para a paz no período do porvir.
Recordai-vos de que o Cristianismo nascente experimentou também inúmeras dificuldades. A palavra revolucionária do apóstolo Paulo, a ruptura com as tradições judaicas ainda vigentes na igreja de Jerusalém geraram a necessidade do grande encontro, que seria o primeiro debate entre os trabalhadores de Jesus que se espalhavam pelo mundo conhecido de então.
No momento grave, quando uma ruptura se desenhava a prejuízo do Bem, a humildade de Simão Pedro, ajoelhando-se diante da voz que clamava em toda parte a Verdade, pacificou os corações e o posteriormente denominado Concílio de Jerusalém se tornou um marco histórico da união dos discípulos do Evangelho.
Neste momento de desafio e de conflitos de todo porte, é natural que surjam divergências, opiniões variadas, procurando a melhor metodologia para o serviço da Luz. O direito de discordar, de discrepar, é inerente a toda consciência livre. Mas, que tenhamos cuidado para não dissentir, para não dividir, para não gerar fossos profundos ou abismos aparentemente intransponíveis.
Que o espírito de união, de fraternidade, leve-nos todos, desencarnados e encarnados, à pacificação, trabalhando essas anfractuosidades para que haja ordem em nome do progresso.
O amor é o instrumento hábil para todas as decisões. Desarmados os corações, formaremos o grupo dos seres amados do ideal da Era Nova.
Nunca olvideis que o mundo espiritual inferior vigia as nascentes do coração dos trabalhadores do Bem e, ante a impossibilidade de os levar a derrocadas morais, porque vigilantes na oração e no trabalho, pode infiltrar-se, gerando desequilíbrio e inarmonias a benefício das suas sutilezas perversas e a prejuízo da implantação da Era Nova sob o comando do Senhor.
Nunca olvidemos, em nossas preocupações, que a Barca terrestre tem um Nauta que a conduz com segurança ao porto da paz.
Prossegui, lidadores do Bem, com o devotamento que se vos exige de fazerdes o melhor que esteja ao vosso alcance, em perfeita identificação com os benfeitores da humanidade, especialmente no Brasil, sob a égide de Ismael, representando o Mestre inolvidável.
Venceremos lutando juntos, esquecendo caprichos pessoais, de imposições egotistas, pensando em todos aqueles que sofrem e que choram, que confiam em nossa fragilidade e aguardam o melhor exemplo da nossa renúncia em favor do Bem, do nosso devotamento em favor da caridade, da nossa entrega em novo holocausto.
Já não existem as fogueiras, nem os empalamentos. Os circos derrubaram as suas muralhas e agora expandem as suas fronteiras por toda a Terra, mas o holocausto ainda se faz necessário.
Sacrificai as próprias imperfeições, particularmente neste sesquicentenário de evocação da chegada do Evangelho à Terra, decodificado pelos Imortais.
Recordai também, almas queridas, que o Espiritismo é, sem qualquer contradita, o Cristianismo que não pôde ser consolidado e que esteve na sua mais bela floração nos trezentos primeiros anos, antes das adulterações nefastas, e que foi Jesus quem o denominou Consolador.
Este Consolador sobreviverá a todas as crises e quando, por alguma circunstância, não formos capazes de dignificá-lo, a irmã morte arrebatará aqueles que não correspondem à expectativa do Senhor da Vinha, substituindo-os por outros melhormente habilitados, mais instrumentalizados para os grandes enfrentamentos que já ocorrem na face do planeta.
Todos sabemos que a transformação moral de cada indivíduo é penosa, de longo curso, por efeito do atavismo ancestral, e que a Lei dispõe do recurso dos exílios coletivos para apressar a chegada da Era Nova.
Abençoados servidores! Abençoadas servidoras da Causa! Amai! Amai com abnegação e espírito de serviço a Doutrina de santificação, para que os vossos nomes sejam escritos no livro do reino dos Céus e possais fruir de alegrias, concluindo a etapa como o apóstolo das gentes, após haverdes lutado no bom combate.
Os mentores da brasilidade, neste momento grave por que também passa o nosso país, assim como o planeta, estão vigilantes.
Permiti-vos ser por eles inspirados e saí entoando o hino do otimismo e da esperança, diluindo a treva, não fixando o medo nem a sombra, que por momento domina muitas consciências. Não divulgando o mal, somente expondo o bem, para que a vitória não seja postergada.
E ide de volta, seareiros da luz! O mundo necessita de Jesus, hoje mais do que ontem, muito mais do que no passado, porque estamos a caminho da intuição, após a conquista da razão, para mantermos sintonia plena com aquele que é o nosso guia de todos os dias e de todas as horas.
Muita paz, filhas e filhos do coração!
São os votos do servidor humílimo e paternal, em nome dos obreiros da seara de todos os tempos, alguns dos quais aqui conosco nesta hora.
Muita paz!…

Bezerra

chaga da ignorância bezerra de menezes

Visão espírita a respeito das guerras

A Influência dos Espíritos nas Guerras

A influência dos Espíritos nas Guerras é uma realidade reportada na obra de Allan Kardec, em O Livro dos Espíritos.
As tensões entre potências, guerras civis e disputa por território não são apenas conteúdos da matéria de história. Pois esta é uma realidade enfrentada por vários povos, com muita tristeza, medo e também o ódio nos conflitos.
Mas infelizmente ocorrem em nosso tempo vários conflitos ao redor do Mundo. Muitos deles são noticiados como estatísticas e análises políticas de interesses.
Perde-se, por vez, a forma humana e a condição digna para viver e progredir em um ambiente sociável. A partir deste ponto é possível analisar a influência dos Espíritos nas Guerras.
O movimento evolutivo dos espíritos, tal qual do Planeta Terra, gera naqueles ainda inferiores uma ação para dificultar o progresso levando o vulgo ao estado de barbárie primitiva. Visto na questão a seguir:
Que é o que impele o ser humano à guerra?
“Predominância da natureza animal sobre a natureza espiritual e transbordamento das paixões.”
Envoltos por uma chama irracional, povos inteiros já foram cegados para garantir pouco a seus líderes. O Orgulho ferido e um nacionalismo prepotente pode enrijecer fronteiras e criar muros que perpetuam o silêncio, a miséria e os problemas vividos com frequência por parte da humanidade.
Certamente tais situações, se não servem como expiações, podem representar aprendizados para a encarnação da vítimas e inocentes. Mas, aos que suscitam a guerra para proveito próprio, de muitas existências lhe serão necessárias para expiar o sangue de milhares de inocentes que morreram para satisfazer à sua ambição vil.
Alias, hoje os interesses podem ser milionários, antes talvez sobrevivência. Em nota de Allan Kardec na questão 541 podemos refletir sobre as grandes epopeias. Por de trás dos heróis haviam Apolo, Atena, Ares, ou seja, alegorias representativas para a inspiração deste ou daquele povo.
Assim, eram esses deuses simplesmente Espíritos que acompanhavam os encarnados nas guerras e lhes foram atribuídos nomes mitológicos. Alguns inclinados ao bem com o intuito de contribuir com luz e esperança, esperando o mais depressa a paz, como na próxima questão:
Durante uma batalha, há Espíritos assistindo e amparando cada um dos exércitos?
“Sim, e que lhes estimulam a coragem.”
Em uma interpretação poliana, ou seja, sem maldades, a coragem que os Espíritos Superiores se referem não seja uma brutalidade instintiva, mas sim a moral e a firmeza ante um cenário facilmente desestabilizador.
Os Espíritos nas Guerras também podem optar pelo lado da injustiça servindo à discórdia e causando destruição, influenciando e intuindo grandes líderes aos conflitos.
As correntes da espiritualidade superior vigia e acolhe aqueles irmãos vítimas de guerras. Eles também intuem quando possível os dirigentes mundiais encarnados aconselhando ao diálogo, a compreensão e a paz.
Aos espíritas cabe muita prece e vigia em relação aos pensamentos e a energia emanada. Contribua para uma atmosfera luminosa e em oração fortaleça as correntes espirituais de luz contribuindo para a estabilidade e o progresso de nosso planeta Terra.

Fundação Espírita André Luiz

(Mensagem psicofônica recebida pelo médium Divaldo Pereira Franco, no encerramento da Reunião Ordinária do Conselho Federativo Nacional, em Brasília, DF, na manhã de domingo, em 9 de novembro de 2014.)
Revisão do Autor Espiritual.

Propósitos

“Solidários, seremos união.

Separados uns dos outros
seremos pontos de vista.
Juntos, alcançaremos a realização
de nossos propósitos.”

Bezerra de Menezes

bezerra solidários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *