O DESPERTAR DO ESPÍRITO

O Despertar do Espírito

Alma – É um ser moral, distinto, independente da matéria e que conserva a sua individualidade após a morte
Principio Vital – Principio de vida material e orgânica, é comum a todos os seres vivos; desde as plantas ao homem.
Obs. A vida podendo existir sem a faculdade de pensar, o princípio vital é coisa distinta e independente.
Para uns é uma propriedade da matéria, segundo outros ela se encontra num fluido especial universalmente espalhado, onde cada ser absorve e assimila uma parte durante a vida, como os corpos inertes absorvem a luz.
Este seria o fluido vital segundo certas opiniões não será outra coisa senão o fluido eléctrico animalizado, também chamado por fluido magnético, fluido nervoso, etc.
Poderíamos chamar:

Alma Vital

Para designar o principio de vida material
Alma intelectual
Para o principio da inteligência
Alma Espírita
Para o principio da nossa individualidade depois da morte.
Obs.: Como podemos observar tudo isto é uma questão de palavras necessárias para nos entendermos.

Sendo assim a: Alma Vital

Seria comum a todos os seres orgânicos. Plantas, animais e homens
Alma Intelectual
Seria própria dos animais e homens
Alma Espírita
Pertencia somente aos homens.

existencia

Capitulo II – Livro dos Espíritos

Questão 23

Q – Que é o espírito?
R – O principio inteligente do universo

Questão 23 A

Q – Qual a sua natureza intima?

R – Não é fácil analisar o espírito na nossa linguagem. Para nós ele não é nada, não é palpável; para a espiritualidade ele é alguma coisa, o nada não existe.

Questão 24

Q – Espírito é sinônimo de inteligência?
R – A inteligência é um atributo essencial do espírito, um e outro se confundem num principio comum. Para nós são uma e a mesma coisa.
É necessária a união do espírito e da matéria para dar inteligência a esta.

Questão 26

Q – Pode-se conceber o espírito sem a matéria e a matéria sem o espírito?
R – Pode-se, sem duvida, pelo pensamento.
Questão 27
Q – Haveria, assim, dois elementos do gerais do universo; a matéria e o espírito?
R – Sim, e a cima de ambos Deus, O criador, O pai de todas as coisas: essas três coisas são principio de tudo o que existe, a Trindade Universal: Deus, espírito, matéria.
Ao elemento matéria é necessário juntar o fluido universal: É o intermediário entre o espírito e a matéria e, fluido como a matéria, é matéria. Susceptível de inumeráveis combinações como esta, e sob a ação do espírito, de produzir infinita variedade de coisas.
Este fluido universal, ou primitivo, ou elementar, sendo o agente de que o espírito se serve, é o principio sem o qual a matéria permaneceria em perpetuo estado de dispersão e não adquiriria jamais as propriedades que a gravidade lhe dá.

Questão 27 A

Q – Seria esse fluido o que designaríamos por eletricidade?
R – Ele é susceptível de inumeráveis combinações: o chamado fluido eléctrico, fluido magnético, são modificações do fluido universal, que é uma matéria mais perfeita, mais subtil.

II – Formação dos seres vivos

Questão 43

Q – Quando a terra começou a ser povoada?
R – No começo tudo era o caos; os elementos estavam fundidos: pouco a pouco, cada coisa tomou seu lugar, apareceram os seres vivos apropriados ao estado do globo. A Terra continha os germens que esperavam o momento favorável para desenvolver-se. Os princípios orgânicos reuniram-se, desde o instante em que cessou a força de dispersão e formaram os germens de todos os seres vivos; estes permaneceram em estado latente e inerte até ao momento propício à eclosão de cada espécie então, os seres de cada espécie se reuniram e multiplicaram.
· Os elementos orgânicos, antes da formação da Terra, se encontravam em estado fluídico no espaço, entre os espíritos, ou em outros planetas, esperando a criação da Terra, para começarem uma nova existência sobre um outro globo.

Questão 47

Q – A espécie humana se achava entre os elementos orgânicos do globo terrestre?
R – Sim e veio a seu tempo.

Livro Segundo Cap. I

Os espíritos são os seres inteligentes da criação; eles povoam o universo, além do mundo material (L.E 76).
Os espíritos são obra de Deus, nos somos seus filhos.
Os espíritos tiveram seu principio, por vontade de Deus, são Sua criação, se assim não fosse, seriam iguais a Ele.
Uma vez que há dois elementos gerais no universo: o inteligente e o material, logo os espíritos são formados do elemento inteligente, os corpos inertes são formados do material? É evidente, os espíritos são individualizações do principio inteligente, como os corpos são individualizações do principio material.
Deus jamais deixou de criar espíritos.
Os espíritos não têm fim.
Os espíritos habitam o mundo dos espíritos ou das inteligências incorpóreas.

Questão 85

Q – Qual dos dois, o mundo espírita ou o mundo corpóreo é o principal na ordem das coisas?
R – O mundo espírita; ele preexiste e sobrevive a tudo. Os espíritos estão em toda a parte; povoam ao infinito os espaços infinitos.

Questão 88

Q – Os espíritos têm uma forma determinada, limitada e constante?
R – Aos vossos olhos, não, aos nossos, sim. Eles são uma chama, um clarão um a centelha etérea
Questão 88 A
Q – Esta chama ou centelha tem alguma cor?
R – Varia do escuro, ao brilho do rubi, de acordo com o maior ou menor grau de pureza do espírito.

IV – O Perispírito

O espírito é envolvido por uma substância que é vaporosa para nós, mas bastante grosseira para os espíritos, no entanto, pode elevar-se na atmosfera e transportar-se para onde quiser.
O espírito tira seu envoltório semi-material do fluido universal de cada globo; Por isso, ele não é o mesmo em todos os mundos.
Esse envoltório semi-material do espírito tem formas determinadas e pode ser visível, ao arbítrio do espírito. È assim que ele aparece algumas vezes, seja nos sonhos ou no estado de vigília, podendo tomar forma visível e mesmo palpável.
V – Diferentes ordens de espíritos
Os espíritos são de diferentes ordens, segundo o grau de perfeição a que tenham chegado.
Recomendamos a leitura de “O Livro dos espíritos”
Cap. I, Livro segundo; Item VI

Escala espírita

3ª Ordem – Espíritos imperfeitos
Décima classe
Espíritos imperfeitos
Nona classe
Espíritos levianos
Oitava classe
Espíritos pseudo-sábios
Sétima classe
Espíritos neutros
Sexta classe
Espíritos batedores e perturbadores
2ª Ordem – Espíritos bons
Predomínio do espírito sobre a matéria; podemos dividi-los em 4 grupos principais:
Quinta classe – espíritos benévolos
Sua qualidade dominante é a bondade. Prestar serviço aos homens e de os proteger, mas o seu saber é limitado, seu saber realizou-se mais no sentido moral que intelectual.
Quarta classe – espíritos sábios
O que os distingue é a amplitude dos conhecimentos. Preocupam-se menos com as questões morais, do que com as científicas, para as quais tem mais aptidão, mas só encaram a ciência pela sua utilidade, livre das paixões que são próprias dos espíritos imperfeitos.
Terceira classe – espíritos prudentes
Caracterizam-se pelas qualidades morais de ordem mais elevada. Sem possuir conhecimentos ilimitados, são dotados de uma capacidade intelectual que lhes permite julgar com precisão os homens e as coisas.
Segunda classe – espíritos superiores
Reúnem a ciência, a sabedoria e a bondade. Sua linguagem transpira benevolência, é sempre digna, elevada e frequentemente sublime. Quando por excepção encarnam na terra, é para cumprirem uma missão de progresso, e então nos oferecem o tipo de perfeição a que a humanidade pode aspirar neste mundo.
1ª Ordem – Espíritos puros
Caracteres gerais – Nenhuma influência da matéria. Superioridade intelectual e moral absolutas, em relação aos espíritos das outras ordens.
Primeira ordem – classe única
Percorreram todos os graus da escala e se despojaram de todas as impurezas da matéria.
Havendo atingido a soma das perfeições de que é susceptível a criatura, não têm mais provas nem expiações a sofrer.
Não estando mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, vivem a vida eterna, que desfrutam no seio de Deus.
No entanto essa felicidade não é ociosa, nem monótona, vivida em contemplação.
São os mensageiros e os ministros de Deus, cujas ordens executam, para a manutenção da harmonia universal.
Dirigem a todos os espíritos que lhes são inferiores, ajudam a aperfeiçoarem-se e determinam suas missões.
São designados, por anjos, arcanjos ou serafins.
Os homens podem comunicar-se com eles, mas não podem tê-los às suas ordens.

Assim seja.

Muita Paz, Luz e Harmonia com as bênçãos do Senhor.

 

Necessário Despertar


Inúmeros candidatos ao conhecimento das informações espíritas – portadoras dos relevantes mecanismos para a reforma íntima – detêm-se, Inconsequentes, na expectativa de milagres, que os não há, para a solução de problemas que eles próprios criaram e continuam gerando, ou esperam que a simples adesão formal a uma sociedade, onde se divulga o Espiritismo, é suficiente para plenificá-los.
Fixados ao atavismo do maravilhoso e do sobrenatural, perseveram na crença leviana de que os Espíritos desencarnados tudo sabem, tudo podem , com a missão expressa de resolver as dificuldades humanas, desse modo, candidatando as criaturas à ignorância e ao atraso.
Acostumados às notícias extravagantes do misticismo que envolve a mediunidade e dos tabus em torno das comunicações espirituais, negam-se ao estudo sério, ou intentam-no, logo o abandonando, apoia-dos às bengalas psicológicas do comodismo de que lhes parece difícil a absorção do conhecimento espiritual, seja pela impossibilidade de manter a atenção, ou por deficiência de memória, ou ainda por perturbações de vária ordem, que afligem, adormecem, incomodam.
A argumentação simplista não procede, porquanto, em outras áreas do comportamento, seja no trabalho, no relacionamento interpessoal, nas pesquisas e cursos, se não houver um sincero interesse e legítima dedicação, ocorrem os mesmos fenômenos perturbadores, desestimulantes.
Toda experiência nova é desafio, caracterizado por dificuldades, superáveis, que mais despertam os valores morais de quem a deseja vivenciar. No que diz respeito àquelas de complexidade profunda, quais as de transformação do homem velho em um novo ser, os patamares a conquistar são múltiplos, revestidos de compreensíveis impedimentos.
Não se alteram hábitos doentios, perniciosos, de um momento para outro, com apenas a disposição, sem o correspondente esforço para consegui-lo.
A transformação interior para melhor, que o conhecimento espírita propicia, é precedida de um necessário despertar para a aceitação de novos e preciosos valores morais, que satisfazem e harmonizam a criatura.
Desse modo, ao desejo de crescimento, devem aliar-se o esforço contínuo e o devotamento às idéias renovadoras, trabalhando-se por entender as diretrizes que se lhe apresentam, experimentando e insistindo na sua implantação no mundo íntimo.
A vitória de qualquer tentame chega após a permanência na sua execução.
*
Substitui, mediante as informações libertadoras do Espiritismo, os velhos hábitos, um a um, adotando novo comportamento mental, e, depois, vivencial, a fim de que a renovação se te faça contínua, incessante.
Fixa-te no propósito de vencer os velhos condicionamentos e adota as propostas de ação positiva, que te auxiliarão no crescimento íntimo.
Liberta-te dos instrumentos frágeis de justificação, evitando as fugas psicológicas à realidade, à responsabilidade.
Insiste na lapidação das arestas grosseiras da personalidade e adapta-te ao novo modo de entender e ser, incorporando à conduta as diretrizes espirituais.
Dar-te-ás conta dos benefícios imediatos que advirão, das soluções aos problemas que surgirão, enfim, de que o empenho se coroa de êxito na razão direta do esforço encetado.
*
Não foi fácil a Simão Pedro transferir-se do mar da Galiléia, onde pescava com simplicidade, para a experiência difícil no oceano tumultuado da humanidade…
Foi grandemente dolorosa a transferência psíquica, emocional e humana de Saulo de Tarso, da exaltação judaica e da opulência do Sinédrio, bem como de uma família abastada, para a atividade áspera de artesão e apóstolo de Jesus…
Maceradora foi a conduta da equivocada de Magdala, ao adotar as lições do Mestre como regra de iluminação íntima, que conseguiu a duras penas…
A História está repleta de heróis da transformação para melhor, que todos respeitam, porém, são incontáveis os conquistadores anônimos do continente da alma, que estavam perdidos e se encontraram.
O Espiritismo hoje, revivendo Jesus ontem, oferece os valiosos esclarecimentos para a felicidade, a autodescoberta, a iluminação íntima libertadora.
Para consegui-lo é, primeiro, necessário despertar.
FRANCO, Divaldo Pereira. Momentos Enriquecedores. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL.

Comentários

Os comentários realizados nesse site não são armazenados em nosso banco de dados e podem ser excluídos diretamente na página da postagem.
*Note que para excluir o comentário será necessário encontrá-lo, clicar na caixa ao lado em seguida no botão excluir... Observando que só será possível excluir o comentário se o usuário estiver logado na mesma conta utilizada na hora que efetuou o comentário.

Política de Privacidade

Qualquer dúvida visite nossa Política de Privacidade: http://www.verdadeluz.com.br/politica-de-privacidade/