INOVE SUA VIDA TENHA BOM ÂNIMO CRIE MUDE INVENTE

inove sua vida

INOVE SUA VIDA

TENHA BOM ÂNIMO

Inove sua vida, tenha bom ânimo, crie, mude, invente, dance, brinque, namore e faça todas as coisas consideradas saudáveis.
Vera Jacubowski

novo tempo

Bênçãos

Amanheceu! Mais um dia se apresenta.

Ao despertarmos para esse novo dia, uma infinidade de pensamentos assalta a nossa mente, e rapidamente vamos os colocando em ordem de prioridade, assumindo a rotina diária de forma mecânica. O dia vai se desenrolando ao nosso redor, mas pela pressa, pelas atividades e informações que nos cabem absorver, nem nos apercebemos. Chegamos em casa exaustos após um dia de muito trabalho e dificuldades. Entregamo-nos novamente as rotinas automáticas com o intuito de mais rapidamente usufruirmos do sono reparador.
E assim, ao nascer de mais um dia, tudo se repete. Somos compelidos a agir da mesma forma mecânica.
Sabemos que a maior parte da humanidade vive essa rotina com ligeiras variações, absorvendo-os completamente não permitindo que vivam a grandeza e a plenitude das bênçãos que se apresentam ao longo de sua jornada.
Falando em bênçãos, lembremo-nos que no passado era comum os pais abençoarem seus filhos. Hoje com a correria nem nos lembramos mais disso. Será que sabemos o que significa esse gesto de abençoar? Sabemos efetivamente o que é uma bênção?
Bênção em hebraico (berektah) provém da palavra “baraken” ou “beirakheh” cujo significado é agradecer, saudar felicitar, no sentido de conceder algo. Podemos então resumir dizendo que abençoar é desejar o bem a alguém e que benção é o desejo da manifestação desse bem em suas mais diversas formas.
Assim o intuito dos pais abençoarem seus filhos é uma forma de protegê-los, envolvendo-os numa aura de sintonia com o bem, através do desejo de que desenvolvam ao longo do dia boas ações.
Mas para que uma bênção se consolide é preciso dois movimentos. Primeiramente que ela tenha sido uma doação, ou seja, um desejo profundo do coração, e não apenas palavras soltas. Segundo é preciso que quem a receba, a perceba e a aceite.
Pode parecer estranho para muitos, mas assim como na prece, a bênção também não é um ato passivo. Ao contrário exige ação da percepção e o colocá-la em prática.
No processo, onde tudo é para ontem e há acumulo de informações, não aprimoramos a percepção da realidade. Focamos somente no material e tangível que se encontra ao nosso redor, não nos doando e não vivendo a plenitude de cada momento.
Por isso, vez ou outra, o desânimo e o desespero nos visitam. Adotamos então a postura de “reclamantes”, onde buscamos culpados, nos colocando como vítimas, sem, contudo, nos dedicarmos a averiguar a real causa de tais efeitos e mudar as ações que nos conduzem a esses resultados.
Muitas das doenças modernas (psicológicas) são frutos dessa falta de percepção das bênçãos que se apresentam, nos levando ao desequilíbrio e nos tornando frágeis e dependentes de uma pseudo-verdade: o apego excessivo ao material, que julgamos compreender.
Meus queridos amigos, as soluções, as novas oportunidades só se tornam visíveis quando nos utilizamos da benção da esperança que o Pai nos concede. Enquanto espíritos imortais sabemos que nenhuma diversidade ou mal dura para sempre, pois são frutos de nossas ações equivocadas (Lei da Ação e Reação).
A depressão, tão em moda, que vai se instalando gradativamente, pode ser combatida com a bênção do recomeço, na construção de uma nova página em nossa história.
Com a bênção da alegria podemos descobrir a beleza do nascer do sol no horizonte, nos energizando, ou na magnitude de uma noite estrelada que nos convida à contemplação, a reflexão e ao repouso. Ou ainda ao colorido das flores, a leveza das borboletas, nos ensinando a simplicidade da bênção da vida. Ou ainda o sorriso de uma criança, a paciência de um idoso que nos remetem ao que realmente importa nessa longa jornada, a bênção do aprendizado.
Vejam meus amigos, temos ainda a bênção da fé. Fé que deve ser raciocinada nos permitindo buscar as respostas para as inquietações da alma, convictos de que o Pai está a nos amparar sempre.
A bênção da vivência do perdão e auto perdão que nos liberta das algemas que criamos por ignorância aos outros e nós mesmos.
Sabemos que existem infinitas bênçãos que poderiam ainda ser elencadas aqui, mas salientamos por fim, a benção do Amor que nos move em direção à prática do bem, nos proporcionando a paz e plenitude de sermos, mesmo com todas as nossas diferenças e particularidades, um com O Pai, no trabalho de cocriação do mundo regenerado.
Meus amigos os convido a aguçarem a percepção, dedicando alguns minutos para apreciarem as inúmeras bênçãos que nos circundam e assim possam encontrar o equilíbrio e o verdadeiro sentido de VIVER.
Com muito carinho e o desejo de infinitas bênçãos,
Em 28-05-15
Médium: Lúcia (Grupo Mediúnico Maria de Nazaré – CAVILE)
Espírito: Irmão Matheus (Colônia Espiritual Maria de Nazaré)
936810

Amadurecimento Psicológico

O relacionamento interpessoal revela o comportamento dos indivíduos em função de si e dos outros. Nos primeiros tentames oculta a realidade, na grande preocupação da aparência. À medida que estreita os vínculos, a postura de guarda cede lugar ao relaxamento emocional e, a pouco e pouco, a máscara cai.
Esse fenômeno é resultado da aproximação que o tempo proporciona à relação.
Nas pessoas realizadas, saudáveis, a conduta permanece sem surpresas, porque há uma interação da sua vivência interior com a exterior, verdadeiro amadurecimento psicológico. Após o autoconhecimento, que propicia a auto-aceitação, explora-se o exterior, abrindo-se a experiências, a vivências novas e enriquecedoras. A linha do equilíbrio demarca a personalidade, sem excentricidades nem bruscas mudanças como ocorre entre a exaltação e a depressão.
Quem assim age encontra-se plenificado, irradiando esse estado de conquista como pessoa humana.
No comportamento alternado, em que o júbilo e a tristeza, a confiança e a suspeita, o amor e a animosidade se confundem, o autodescobrimento e a imaturidade programam estados de instabilidade, de desdita, conduzindo a enfermidades emocionais que são somatizadas, reaparecendo na área orgânica com caráter destruidor.
Tais reflexos, no relacionamento, geram desequilíbrios que se agravam, na razão direta que se fazem desastrosos, empurrando suas vítimas para estados obsessivos-compulsivos ou depressivos.
Na tua ânsia de crescimento, experimenta a tua realidade íntima em confronto com a externa.
Não te permitas perturbar pelos indivíduos reagentes, que se encontram de mal com eles próprios e vomitam mau humor contra os demais. Permanece cortês, para que não seja o seu estado bilioso a dizer como te comportares.
Por tua vez, não te transformes em personalidade reatora, aquela que está sempre reagindo, quando poderia e deveria agir.
A tua ação e reação traduzem como és interiormente, bem como sentes e vês em realidade o que se passa em teu mundo íntimo.
Assim, não desperdices energias mascarando-te, antes aplicaas em contínuo trabalho de autoaprimoramento, de crescimento interior até exteriorizares as conquistas em simpatia, cordialidade e amor.
Qualquer pretensão de modificar o mundo e fazê-lo girar como te aprouver é alucinação. Porém, se te dedicares à transformação íntima, que reflita em alteração de outros comportamentos para melhor, lograrás alcançar a verdadeira meta do amadurecimento psicológico.
Com esse aprofundamento no eu espiritual, a saúde plena será tua amiga na grande proposta que te leva em busca de realização pessoal e humana.
Jesus nunca se amesquinhou diante dos falsamente poderosos ou de classe e economia mais expressivas. Tampouco se tornou prepotente diante dos fracos e sofredores. A linha de equilíbrio entre o Seu interior e o exterior, demonstrou a Sua superioridade moral, espiritual e intelectual, que O torna Modelo sob todos os aspectos para todos nós, exemplo de perfeita maturidade psicológica, porque plenificadora.
FRANCO, Divaldo Pereira. Momentos de Saúde. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL. Capítulo 20.

Comentários