IRMÃ DULCE E O ESPIRITISMO

IRMÃ DULCE E O ESPIRITISMO

Irmã Dulce e o seu relacionamento amigável e respeitoso com o Espiritismo.. A veneranda Irmã Dulce, outro espírito luminoso que passou pela Terra, em Salvador, Bahia, era grande amiga de Divaldo Franco, criador e mantenedor da Mansão do Caminho, que atende mais de 3.000 crianças por dia naquela cidade. Quando dispunha de saúde relativa, ela não tinha preconceito algum e, seguidamente, ia ao Centro Espírita Caminho da Redenção e perguntava a Divaldo:
– Meu filho, a irmã do “lado de lá” tem mensagem à irmã do lado de cá?!
“Irmã do lado de lá”, simplesmente é a Mentora Espiritual de Divaldo Franco, Joanna de Ângelis.
Depois de certo tempo, quando a saúde de Irmã Dulce se agravou, era Divaldo quem ia visitá-la em seu hospital, onde ela ficava boa parte do tempo em uma cadeira, orientando os trabalhos, e ali era sua cama.
A seu lado, sempre um balão de oxigênio.
Divaldo, uma vez indagou:
– A irmã não gostaria que fizéssemos uma campanha para comprarmos uma cama hospitalar para a senhora? Ela respondeu:
– Não, meu filho, graças a essa cadeira eu já consegui mais de 20 camas para meus doentes.
As pessoas doavam-lhe camas achando que ela iria ter mais conforto, mas aquele nume tutelar dos doentes e sofredores abria mão das camas e assim seu hospital tinha mais leitos.

O AMOR AOS DOENTE E O SERVIÇO AOS POBRES

Segunda filha do dentista Augusto Lopes Pontes, professor da Faculdade de Odontologia, e de Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes, ao nascer em 26 de maio de 1914, em Salvador, Irmã Dulce recebeu o nome de Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. O bebê veio ao mundo na Rua São José de Baixo, 36, no bairro do Barbalho, na freguesia de Santo Antônio Além do Carmo. A menina Maria Rita foi uma criança cheia de alegria, adorava brincar de boneca, empinar arraia e tinha especial predileção pelo futebol – era torcedora do Esporte Clube Ypiranga, time formado pela classe trabalhadora e os excluídos sociais.
Aos sete anos, em 1921, perde sua mãe Dulce, que tinha apenas 26 anos. No ano seguinte, junto com seus irmãos Augusto e Dulce (a querida Dulcinha), faz a primeira comunhão na Igreja de Santo Antônio Além do Carmo.
A vocação para trabalhar em benefício da população carente teve a influência direta da família, uma herança do pai que ela levou adiante, com o apoio decisivo da irmã, Dulcinha. Aos 13 anos, graças a seu destemor e senso de justiça, traços marcantes revelados quando ainda era muito novinha, Irmã Dulce passou a acolher mendigos e doentes em sua casa, transformando a residência da família – na Rua da Independência, 61, no bairro de Nazaré, num centro de atendimento. A casa ficou conhecida como ‘A Portaria de São Francisco’, tal o número de carentes que se aglomeravam a sua porta. Também é nessa época que ela manifesta pela primeira vez, após visitar com uma tia áreas onde habitavam pessoas pobres, o desejo de se dedicar à vida religiosa.
Em 08 de fevereiro de 1933, logo após a sua formatura como professora, Maria Rita entra então para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, na cidade de São Cristóvão, em Sergipe. Em 13 de agosto de 1933, recebe o hábito de freira das Irmãs Missionárias e adota, em homenagem a sua mãe, o nome de Irmã Dulce.
A primeira missão de Irmã Dulce como freira foi ensinar em um colégio mantido pela sua congregação, no bairro da Massaranduba, na Cidade Baixa, em Salvador. Mas, o seu pensamento estava voltado mesmo para o trabalho com os pobres. Já em 1935, dava assistência à comunidade pobre de Alagados, conjunto de palafitas que se consolidara na parte interna do bairro de Itapagipe. Nessa mesma época, começa a atender também os operários que eram numerosos naquele bairro, criando um posto médico e fundando, em 1936, a União Operária São Francisco – primeira organização operária católica do estado, que depois deu origem ao Círculo Operário da Bahia. Em 1937, funda, juntamente com Frei Hildebrando Kruthaup, o Círculo Operário da Bahia, mantido com a arrecadação de três cinemas que ambos haviam construído através de doações – o Cine Roma, o Cine Plataforma e o Cine São Caetano. Em maio de 1939, Irmã Dulce inaugura o Colégio Santo Antônio, escola pública voltada para operários e filhos de operários, no bairro da Massaranduba.

FRASES DE IRMÃ DULCE

O amor supera todos os obstáculos, todos os sacrifícios. Por mais que fizermos, tudo é pouco diante do que Deus faz por nós.
Sempre que puder, fale de amor e com amor para alguém. Faz bem aos ouvidos de quem ouve e à alma de quem fala.
Miséria é a falta de amor entre os homens.

Comentários

Os comentários realizados nesse site não são armazenados em nosso banco de dados e podem ser excluídos diretamente na página da postagem.
*Note que para excluir o comentário será necessário encontrá-lo, clicar na caixa ao lado em seguida no botão excluir... Observando que só será possível excluir o comentário se o usuário estiver logado na mesma conta utilizada na hora que efetuou o comentário.

Política de Privacidade

Qualquer dúvida visite nossa Política de Privacidade: http://www.verdadeluz.com.br/politica-de-privacidade/